A IMPORTÂNCIA DOS PROFISSIONAIS DA CONTABILIDADE E DO DIREITO TRIBUTÁRIO NA NOVA FASE DO SPED

Laura Maclovis Aparecida e Souza Torres

Resumo


RESUMO: O anseio do Estado em fiscalizar, sobrecarregou as empresas na apresentação das obrigações tributárias acessórias, cenário que começou a mudar a partir de 2007 com a implantação do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED). O presente artigo, analisará o processo de consolidação desta ferramenta assim como as melhorias e problemas ocorridos no processo de envio/recepção de dados pelos contribuintes; este trabalho pautar-se-á em revisão bibliográfica e análise de dados da Receita Federal, bem como pesquisa de campo.  Ao estudarmos as obrigações tributárias acessórias, nos atentaremos à Contabilidade e Direito Tributário. Com o presente trabalho, observa-se a importância da união de conhecimentos científicos distintos, mas complementares, a fim de se compreender a questão do SPED; no que diz respeito às obrigações tributárias acessórias, faz-se necessário o conhecimento do profissional da contabilidade que estará credenciado para realizar a transmissão de todos os arquivos eletrônicos, assim como o conhecimento do profissional do Direito.  

Palavras Chave: Contabilidade. Direito tributário. SPED. Obrigações Tributárias Acessórias.


Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, Gabriella Pollos et al; Escrituração Contábil Digital nas Empresas Tributadas pelo Lucro Real. Disponível em: Acesso em: 29 de outubro de 2018.

BORGES, Edson José et al. Contabilidade Tributária: A Utilização de Métodos Quantitativos para Análise de Processos Tributários. REVISTA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE. Brasília – DF; ano 2016, n°6, p. 67-79, Nov/Dez. 2016.

BRASIL. Lei N° 5.172, de 25 de outubro de 1966. Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Código Tributário Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 27 out. 1966.

_________. Decreto N°6.022, de 22 de janeiro de 2007. Institui o Sistema Público de Escrituração Digital – SPED. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 22 jan. 2007.

COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de Direito Comercial: Direito de Empresa. 25°ed. São Paulo – SP: Saraiva, 2013.

CONFAZ, Ministério da Fazenda, AJUSTE SINIEF 10/18, DE 05 DE JULHO DE 2018. Disponível em: Acesso em: 14 de novembro de 2018.

CREPALDI, Silvio Aparecido; CREPALDI, Guilherme Simões; Contabilidade Fiscal e Tributária: Teoria e Prática. 1°ed. São Paulo – SP; Saraiva, 2014.

FABRETTI, Láudio Camargo. Direito Tributário Aplicado - Impostos e Contribuições das Empresas. 2ªed. São Paulo – SP. ATLAS. 2009.

LANGONI, Cristina Amélia Fontes et al. SPED e Sistemas de Informação. 1°ed. São Paulo – SP: FISCOSoft Editora, 2013.

MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 33°ed. São Paulo – SP: Malheiros Editores LTDA, 2012.

MARTINS, Sergio Pinto. Manual de Direito Tributário. 13ªed. São Paulo – SP. ATLAS. 2014.

NASCIMENTO, Edilson Reis do; PAIM, Wilson Moisés; MAZZOCO, Alexandre. Planejamento Tributário. Londrina – PR: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2016.

OLIVEIRA, Gustavo Pedro de. Contabilidade Tributária. Ed.: 4ª. SARAIVA. 2013.

Receita Federal. Medidas de Simplificação dão Anunciadas em Fórum que Reúne Administrações Tributárias e Empresas. Disponível em: Acesso em: 15 de outubro de 2018.

RODRIGUES, Aldenir Ortiz et al. Aspectos Jurídicos do Planejamento Tributário. 2°ed. São Paulo – SP: V.1: IOB Folhamatic, 2013.

_________________________. Planejamento Tributário: IRPJ, CSL, PIS/Pasep, Cofins e Planejamento Contábil e Reorganização Societária. 1°ed. São Paulo – SP. IOB SAGE, 2015.

SPED – Sistema Público de Escrituração Digital. Conheça o SPED. Disponível em: . Acesso em: 24 de outubro de 2018.

______________________________________ Publicação do Decreto N°555/2018. Disponível em: < http://sped.rfb.gov.br/pagina/show/2870> Acesso em: 14 de novembro de 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.