EDUCAÇÃO SUPERIOR EM DIREITOS HUMANOS: entre a regulação e a emancipação

Marcos Cristiano dos Reis

Resumo


Perguntou-se sobre o papel das Pós-Graduações e sua atuação na formação de cidadãos conscientes. Para responder essa questão o presente artigo relata a discussão sobre a fundamentação teórica dos paradigmas de ciência que fomentam a academia brasileira bem como resgata a tradição do bacharelismo brasileiro que coopta a academia tornando-a via para a dominação ideológica e política. Esta atividade levantou e analisou a produção teórica dos mestrados em ciência política e direito agrário da Universidade Federal de Goiás nos anos de 2016 e 2017 comparando como os mestrandos tratavam temas relacionados com o que teoricamente se reconhece por direitos humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Sérgio. Os Aprendizes do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

BALLOUSSIER, Anna Virginia. Sem diploma, Damares já se apresentou como mestre em educação e direito. Folha de S. Paulo. São Paulo, 2019. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2019.

BOLSONARO, Jair Messias. Discurso do Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante Cerimônia de Posse no Congresso Nacional. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

BOURDIEU, Pierre. Homo Academicus. Florianópolis: Editora da UFSC, 2017.

______. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

CANDAU, Vera Maria. Direitos Humanos, Educação e Interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação. v. 13, n. 37, p. 45-185. jan./abr. 2008. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2019

FLICK, Uwe. Uma Introdução à Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. v. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

MANHAS, Cleomar. Nada Mais Ideológico que “Escola Sem Partido”. In: Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.) A Ideologia do Movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. p. 15-22.

MEDINA, Paulo Roberto de Gouvêa. Do Bacharelismo à Bacharelice: Reflexos desses fenômenos nos cursos jurídicos, ao longo do tempo. Ensino Jurídico, Literatura e Ética. Brasília: OAB Editora, 2009.

RODRIGUEZ, Ricardo Velez. Discurso de Posse de Ricardo Velez Rodriguez como Ministro da Educação. Nova Escola. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

SANTOS, Boaventura de Souza. Direitos Humanos, Democracia e Desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2013.

______. A Crítica da Razão Indolente: Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2002.

SANTOS, Boaventura de Souza; NUNES, João Arriscado. Introdução: Para ampliar o cânone do reconhecimento, da diferença e da igualdade. In: SANTOS, Boaventura de Souza (Org.). Reconhecer Para Libertar: Os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 25-68.

VENANCIO FILHO, Alberto. Das Arcadas ao Bacharelismo. 150 anos de ensino jurídico no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.