PRÁTICAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA COM A UTILIZAÇÃO DA SÉRIE FRIENDS NUMA PERSPECTIVA DA NEUROLINGUÍSTICA

Henrique Aparecido Gouveia, Fernanda Franco Tiraboschi

Resumo


Este artigo descreve uma prática de ensino e aprendizagem de língua inglesa com o uso da série americana de televisão Friends. Como referencial teórico, este trabalho se apoia nos estudos voltados para área da neurolinguística (FARUJI, 2011; LORENA; PINHO, 2015; NERGIS, 2011; ODE, 2014) e da SBPNL (Sociedade Brasileira de Neurolinguística), bem como estudos envolvendo o uso das novas tecnologias na aprendizagem de segunda língua (BARBOSA, 2016; CUNHA, 2007; DIAS, 2012; DIEUZEIDE, 1973). Esta pesquisa foi realizada no contexto do ensino médio, em uma escola privada, em Aparecida de Goiânia/GO, com 27 participantes durante o estágio obrigatório. A pesquisa se configura como um estudo de caso com observação participante. Os dados apresentados provêm da descrição da atividade, das respostas dos participantes aos exercícios propostos. Os resultados mostram alguns benefícios provenientes da utilização do seriado e neurolinguística na aprendizagem de LI, tais como desenvolvimento do listening (audição), reading (leitura), speaking/conversation (fala e conversação) e memorização. Palavras-chave: Neurolinguística. Aprendizagem de língua. Novas Tecnologias. Memorização.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, S. P. O impacto da utilização de vídeos em fases específicas da aula: Um projeto de promoção da participação oral. Relatório realizado no âmbito do Mestrado em Ensino do Inglês e de Alemão no 3º Ciclo do Ensino Básico e Ensino Secundário. 2016.

CUNHA, T. M. O uso de filmes legendados e do ensino comunicativo de línguas no desenvolvimento da proficiência oral em nível básico de língua estrangeira. 158f. 87 Dissertação de mestrado (Curso de Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza. 2007

DIAS, R. WebQuests: tecnologias, multiletramentos e a formação do professor de inglês para a era do ciberespaço.RBLA, Belo Horizonte, v. 12, n. 1, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/2012nahead/aop1212.pdf >. Acesso em: 25 nov. 2018.

FARUJI, L. F. Neurolinguistics Aspects of Second Language Acquisition BRAIN. Broad Research in Artificial Intelligence and Neuroscience Volume 2, Issue 4, December 2011, ISSN 2067-3957 (online), ISSN 2068 - 0473 (print). 2011

LORENA, A. L. F de; PINHO, M. L. S. A contribuição da programação neurolinguística para o exercício da docência no ensino universitário. XV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA – CIGU Desafios da Gestão Universitária no Século XXI Mar del Plata – Argentina. 2015.

NERGIS, Ayúegül. To what extent does neurolinguistics embody EFL teaching methods? Procedia Social and Behavioral Sciences 15. Disponível em: www.sciencedirect.com. Acesso em 15/11/2018. 2011

Revista Acadêmica Educação e Cultura em Debate

V 5, N. 1, jan-dez. 2019

ODE, E. O. Impact of audio-visual (avs) resources on teaching and learning in some selected private secondary schools In makurdi. Department of Educational Foundations, Published by Elsevier Ltd. Benue State University, Makurdi, Nigeria. 2014

SBPNL. Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística. Disponível em https://www.pnl.com.br/conheca-sbpnl. Acesso em 20/11/2018.

SILVA, G. A. A Era Pós-Método: Novas Concepções no Ensino de Línguas - O Professor como um Intelectual. Linguagem e Cidadania, Santa Maria - RS, v. 12, 2004. p. 8


Apontamentos

  • Não há apontamentos.