RISCOS PSICOSSOCIAIS NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL EM MEIO A PANDEMIA | de Godoi | Psicologias em Movimento

RISCOS PSICOSSOCIAIS NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL EM MEIO A PANDEMIA

Renato Martins Alvarenga de Godoi, Alexandre Castelo Branco Herênio, Ariana Lúcia Alves Carvalho

Resumo


As práticas de intervenção, como exemplo, o isolamento social, utilizadas para o combate da COVID-19 trouxeram um aumento substancial da modalidade home office. O objetivo do presente estudo é identificar como o isolamento social e o trabalho em casa contribui para o desenvolvimento ou desencadeamento de doenças psicossociais. A pesquisa foi realizada por meio de uma revisão integrativa da literatura utilizando artigos publicados durante o período pandêmico nas plataformas CAPES e SciELO. Os resultados forneceram evidências de que a modalidade home office afetaram o grau de estresse. Os funcionários poderiam não dispor de tempo para pausas. Em suma, o estudo demonstrou que os problemas de saúde mental aumentaram com a pandemia COVID-19 e estão relacionados ao estresse. Os exemplos começaram com ansiedade, depressão e terminaram em exaustão no trabalho. As limitações dos estudos revisados foram discutidas e os possíveis caminhos a serem considerados. Palavras-chave: Pandemia. Doenças psicossociais. Síndrome de burnout. Home office

Texto completo:

PDF

Referências


ADERALDO, Igor Leal; ADERALDO, Carlos Victor Leal; LIMA, Afonso Carneiro. Aspectos críticos do teletrabalho em uma companhia multinacional. Cadernos EBAPE. Br, v. 15, p. 511-533, 2017.

ASSMAR, Eveline Maria Leal; FERREIRA, Maria Cristina; SOUTO, Solange de Oliveira. Justiça organizacional: uma revisão crítica da literatura. Psicologia: reflexão e crítica, v. 18, n. 3, p. 443-453, 2005.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Boletim epidemiológico. 2020.Disponivel em https://www.gov.br/saude/ptbr/media/pdf/2021/marco/05/boletim_epidemiologico_covid_52_final2.pdf. Acesso em

10.2021 CAPES. Brasil - [2017 a 2020] Acessos ao Portal de Periódicos - Informação geral. Capes.gov.br. Disponível em:

. Acesso em: 30 Oct. 2021.

CHIARA, I. D. et al. Normas de documentação aplicadas à área de Saúde. Rio de Janeiro: Editora E-papers, 2008.Acesso em 08 jun.2018. CNJ. Saúde mental e trabalho no Poder Judiciário. [s.l.: s.n., s.d.]. Disponível em .

DO PRADO, Claudia Eliza Papa. Estresse ocupacional: causas e

consequências. Rev Bras Med Trab, v. 14, n. 3, p. 285-9, 2016.

FGV. Covid-19: Estudo da FGV aponta que 56% dos profissionais têm

dificuldade com trabalho remoto. FGV EAESP. Disponível em:

. Acesso em: 30 Oct. 2021.

G1. Mais de 1,4 mil pessoas foram afastadas do trabalho por ansiedade em 2019 no ES, diz INSS. (2020, January 30). Mais de 1,4 mil pessoas foram afastadas do trabalho por ansiedade em 2019 no ES, diz INSS. Retrieved August 20, 2021, from G1 website: https://g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/2020/01/30/mais-de-14-milpessoas-foram-afastadas-do-trabalho-por-ansiedade-em-2019-no-es-diz-inss.ghtml

GOUVEA IARO, Maione de Fátima Silva; BARDAGI, Marucia Patta. Síndrome de burnout e satisfação no trabalho em profissionais da área de enfermagem do interior do RS. Barbaroi, Santa Cruz do Sul , n. 33, p. 194-216, dez. 2010 . Disponível em

&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 30 out. 2021.

GOUVÊA, Pollyna Bortholazzi; HADDAD, Maria do Carmo Lourenço; ROSSANEIS, Mariana Angela. Manifestações psicossomáticas associadas à síndrome de Burnout referidas por trabalhadores de saúde. Saude (Santa Maria), v. 40, n. 1, p. 47-54, 2014.

HAUBRICH, Deise Bitencourt; FROEHLICH, Cristiane. Benefícios e desafios do home office em empresas de tecnologia da informação. Revista Gestão & Conexões, v. 9, n. 1, p. 167-184, 2020.

KARASEK R, THEORELL T. HEALTHY work: stress, productivity and the

reconstruction of working life. New York: Basic Books; 1990.

LUDUGERIO, Adriane. Almeida; et al. A qualidade de vida no trabalho em home office. [s.l.: s.n., s.d.]. Disponível em:

https://repositorio.pucgoias.edu.br/jspui/bitstream/123456789/2341/1/Artigo%20Adria ne%20Tom%c3%a9%20Ludugerio%20Final.pdf.

MELLO, Daniel. Home office foi adotado por 46% das empresas durante a pandemia. Agência Brasil, São Paulo, jul, p. 2020-07, 2020.

MENDES, Karina Dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVÃO, Cristina Maria. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contextoenfermagem, v. 17, p. 758-764, 2008.

MENEGHINI, Fernanda; PAZ, Adriana Aparecida; LAUTERT, Liana. Fatores ocupacionais associados aos componentes da síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 20, p. 225-233, 2011.

MODESTO, J. G., de SOUZA, L. M., & RODRIGUES, T. S. Esgotamento profissional em tempos de Pandemia e suas repercussões para o trabalhador. A Revista da Geografia do Trabalho, 2020 v. 21 n 2; 376-391.

MODESTO, João Gabriel; DE SOUZA, Luísa Meirelles; RODRIGUES, Tatiana SL. Esgotamento profissional em tempos de Pandemia e suas repercussões para o trabalhador. PEGADA-A Revista da Geografia do Trabalho, v. 21, n. 2, p. 376-391, 2020.

NASCIMENTO, Grasiele Augusta Ferreira; CREADO, Raíssa Stegemann Rocha. O direito à desconexão no período de home office: análise dos impactos da quarentena pelo covid-19 na saúde do trabalhador. Revista Direito UFMS, v. 6, n. 1, p. 131-149, 2020.

PAPARELLI, Renata. Degaste mental do professor da rede pública de ensino: trabalho sem sentido sob a política de regularização de fluxo escolar. Tese de doutorado Disponível em:https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde07122009-145916/publico/tesepaparelli2009.pdf.

PEREIRA, Ana Carolina Lemos et al. Fatores de riscos psicossociais no trabalho: limitações para uma abordagem integral da saúde mental relacionada ao trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 45, 2020. Disponível em: . Acesso em: 16 Oct. 2021.

POLLETTINI, Sandra Maria Tarossi; TORTOSA, Thais; NETO, Joaquim Maria Ferreira Antunes. Análise da percepção de mudanças comportamentais em sujeitos em modalidade de trabalho remoto durante a pandemia: experiências vividas. Interciência & Sociedade, v. 5, n. 2, p. 433-461, 2020.

RAFALSKI, Julia Carolina; ANDRADE, Alexsandro Luiz De. Home-office: aspectos exploratórios do trabalho a partir de casa. Temas psicol., Ribeirão Preto, v. 23, n. 2, p. 431-441, jun. 2015 . DOI: http://dx.doi.org/10.9788/TP2015.2-14.

RIBEIRO, André Duarte de Ávila et al. Questões ergonômicas do trabalho em home office durante a pandemia de COVID-19. 2021. Disponível em: http://ri.ucsal.br:8080/jspui/handle/prefix/4618. Acesso em 30.10.2021

SAUDE.GOV.ESPECIAL: DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019. [s.l.: s.n., s.d.]. Disponível em

BE7-Boletim-Especial-do-COE-Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf>. Acesso em: 29 Sep. 2021.

SEVERO, Valdete Souto; DE BARROS, Isabela Pimentel. Trabalho e Saúde Emocional em tempos de COVID-19. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho, v. 2, n. 1, p. 41-69, 2020.

SIEGRIST, J. Adverse health effects of high-effort/low-reward imbalance at work: theory, empirical support, and implications for preventions. In: COOPER. C. L. Theories of organizational stress. Oxford: Oxford University Press, 2001.

SIEGRIST, J. et al. The measurement of effort-reward imbalance at work: European comparisons. Social Science & Medicine, v 58, n. 8, p. 1.483-1.499, 2004.

SOUZA, Diego de Oliveira. As dimensões da precarização do trabalho em face da pandemia de Covid-19. Trabalho, Educação e Saúde, v. 19, 2020.

SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. Saraiva Educação SA, 2009.

TENÓRIO, Ricardo Jorge Medeiros. A saúde mental e ergonômica no trabalho remoto no pós-pandemia. Revista Espaço Acadêmico, v. 20, p. 96-105, 2021.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.