PODER SIMBÓLICO MASCULINO NA CULTURA OCIDENTAL E A EMANCIPAÇÃO FEMININA: desafios e possibilidades

Bruna Ferreira Antunes, Bruna Milene Ferreira

Resumo


O presente trabalho tem como tema: Poder Simbólico masculino na cultura ocidental e a emancipação feminina: desafios e possibilidades. Seu objetivo é mostrar a educação como ferramenta nas transformações do comportamento humano; debater se corpo e gênero são formados biologicamente ou por meio de fatores sociais; fomentar a discussão a respeito da violência simbólica e desigualdade de gênero, com ênfase na figura da mulher e seu lugar na sociedade no decorrer da História; pontuar os elementos que contribuíram para a criação da cultura da submissão feminina; e, refletir sobre o papel da escola como formadora de cidadãos mais conscientes. A metodologia utilizada para a realização da pesquisa foi a qualitativa que se baseia na seleção e análise das teorias dos seguintes autores: Louro, Furlani, Goellner, Butler, Bourdie entre outros. A pesquisa leva à reflexão a respeito das mudanças sobre o que se entende de corpo e gênero, e a responsabilidade da educação na desconstrução da desigualdade, violência e preconceitos, como agente transformador que busca libertar a sociedade de amarras que levam à segregação e discriminação.

Palavras-Chave: Corpo. Gênero. Mulher. Educação. Igualdade.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BRASIL. Câmara dos deputados. PL 867/2015. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2018.

______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Disponível em:. Acesso em: 16 set. 2018.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Imagem virtual, 2003.

CARVALHO, Guilherme Paiva de; OLIVEIRA, Aryanne Sérgia Queiroz de. Discurso, poder e sexualidade em Foucault. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2018.

FELIPE, Jane. Gênero, sexualidade e a produção de pesquisas no campo da educação: possibilidades, limites e a formulação de políticas públicas. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2018.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 24. ed. São Paulo: Edições Graal, 2007.

Revista Acadêmica Educação e Cultura em Debate

V 5, N. 1, jan-dez. 2019

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados; Cortez, 1989.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A educação dos corpos, dos gêneros e das sexualidades e o reconhecimento da diversidade. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2018.

GOMES, Romeu. A Dimensão Simbólica da Violência de Gênero: uma discussão introdutória. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

LEMOS, Amanda Kamanchek. Na volta às aulas, a ONU Mulheres divulga currículo e planos de aulas para o ensino fundamental sobre igualdade de gênero e enfrentamento à violência contra as mulheres e meninas. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Disponível em: Acesso em: 05 maio 2018.

LOURO, Guacira Lopes; NECKEL, Jane Felipe; GOELLNER, Silvana Viloddre (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003.

SANTOS, Wendel Souza. Uma reflexão pós-crítica sobre corpo, gênero, sexualidade no ambiente educacional. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2018.

SARDENBERG, Cecília M. B; COSTA, Ana Alice A. Feminismos, feministas e movimentos sociais. In: BRANDÃO, Margarida Luiza Ribeiro; BINGEMER, Maria clara Lucchetti (Orgs.). Mulher e relações de gênero. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

VIANNA, Cláudia Pereira. O sexo e gênero na docência. Disponível em: . Acesso em: 30 ago.2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.