EFEITOS DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NOS ANOS INICIAIS

Gislaine Vieira Campos Dias, Juliet Rezende Cláudio Costa

Resumo


O assunto abordado neste trabalho se mostra relevante porque levanta questionamentos que ainda incomodam o público escolar. Em seu histórico, o processo de avaliação da aprendizagem, apesar de ter passado por algumas mudanças, ainda é visto por muitos professores como forma de prova ou exame e não um processo de aprendizagem. Em contexto geral, ainda precisa de muitas intervenções. Também se coloca o quanto é importante a abordagem da avaliação da aprendizagem nos anos inicias, porque é através desse processo que o professor poderá detectar como de fato está ocorrendo essa aprendizagem e qual a melhor forma de auxiliá-lo em eventuais dificuldades. Foram apontados pontos relevantes para que esse processo se torne significativo. Para atingir esse objetivo, o processo avaliativo necessita fazer sentido para todos, levando em conta as necessidades e particularidades de cada um além de sua singularidade. Também precisa fazer parte do cotidiano do educando, sem esquecer a interação professor aluno. O estudo realizado utilizou o procedimento metodológico denominado como pesquisa qualitativa, ou seja, trata da modalidade bibliográfica por meio da qual foi possível promover uma análise das ideias proeminentes dos teóricos previstos para a concretização deste projeto: Esteban, Hoffman, Luckesi, Moretto e Romão.

Palavras-Chave: Avaliação. Abordagem. Efeitos. Relevância.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (1ª a 4ª série). Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2018.

______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: 1996. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.

______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: 1990. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2018.

ESTEBAN, Maria. Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. 5. ed. Rio de Janeiro: Dpea, 2003.

GATTI, Bernadete. Avaliação: contexto, histórico e perspectivas. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2018.

HOFFMAN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. 10. ed. Porto Alegre: Mediação, 2008.

LUCKESI, Cipriano. Avaliação da aprendizagem escolar. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

MORETTO, Vasco. Prova um momento privilegiado de estudo não um acerto de contas. 6. ed. Rio de Janeiro: Dpea, 2005.

REHEM, Cácia Cristina França; MELO, Maria Alice. Avaliação da Aprendizagem no Ensino Superior: novos discursos e velhas práticas. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2018.

ROMÃO, José. Avaliação dialógica desafios e perspectivas. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.