CRISE NA EDUCAÇÃO: a importância da filosofia na formação de professores dos anos iniciais

Amanda dos Santos Lúcio

Resumo


RESUMO: Neste artigo buscou-se analisar os conceitos da filosofia como ferramenta indispensável na construção do pensamento crítico e suas implicações na formação do pedagogo como professor e profissional que atua na educação infantil e nos anos iniciais, responsável por boa parte da educação básica e de que forma a filosofia influencia sua prática no cotidiano escolar. Para tal reflexão é preciso compreender o panorama histórico da educação, entendendo as mudanças ocorridas durante os últimos séculos que interferem diretamente na formação de professores e alunos e na construção do pensamento filosófico. Historicamente a educação acompanhou a vida econômica e social do homem, o estabelecimento de um modelo econômico influenciou a construção do indivíduo que trabalha para adquirir capital, instrumento necessário para a manutenção da vida intelectual e social. A partir do trabalho e acumulação de bens a necessidade de adequar a escola a nova sociedade faz-se presente, dando origem a uma crise nos costumes, tradições e principalmente na educação. As consequências da crise no setor educacional foram analisadas no artigo em uma perspectiva filosófica, buscando respostas na formação do aluno e nos déficits da formação de professores. A escola é a instituição que mantêm um sistema insuficiente e desigual quando se trata de educar para a emancipação, reconhecendo os problemas e possíveis melhorias partindo da filosofia como campo de estudo para o pensamento reflexivo, é fundamental para compreendermos o processo de aprendizagem e crescimento social do homem. O trabalho foi elaborado por meio da modalidade de pesquisa bibliográfica, utilizando para o embasamento teórico os seguintes autores que discutem o assunto proposto: ADORNO (2000), ARENDT (2000), BOURDIEU (2005), SAVIANI (1996).
PALAVRAS-CHAVE: Filosofia. Pedagogia. Crise na educação


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. 2 ° ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

AMBROSINI, Tiago Felipe. Educação e Emancipação humana: uma fundamentação filosófica. Disponível em: https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/in dex.php/histedbr/article/viewFile/8640058/7617. Acesso em: 23 nov. de 2017.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires Martins. Filosofando Introdução a filosofia. 3°ed. São Paulo: Moderna, 2003.

ARENDT, Hannah. A crise na educação. In: Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2000. p 221 à 247.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 8º Ed. Bertrand Brasil: Rio de Janeiro, 2005.

______. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e a cultura. In: Escritos de educação. 7° ed. Vozes: Petrópolis, 2005.

CARVALHO, Viviane Baptista. As influências de John Dewey no cenário educacional brasileiro. Revista Redescrições – Revista online do GT de

V 3, N. 2, ago-dez. 2017

Revista Acadêmica Educação e Cultura em Debate

Pragmatismo Ano 3, Número 1, 2011(Nova Série). Disponível em:http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:http://gtpragmatismo.co m.br/redescricoes/redescricoes/ano3_01/4_carvalho.pdf&gws_rd=cr&dcr=0&ei=VAzI We2wHMqbwASZt4r4BQ. Acesso em: set de 2017.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. 9° ed. Editora Ática. São Paulo: 1997.

DUARTE, André de Macedo. Hannah Arendt e o pensamento político sob o signo do Amor Mundi. Disponível em: < Hannah Arendt e o pensamento político sob o signo do Amor Mundi>. Acesso em: 23 de nov. 2017.

GHIRALDELLI JR, Paulo. O que é pedagogia. Editora Brasiliense. São Paulo:1987.

________________. O que é pedagogia. 4° ed. Editora Brasiliense. São Paulo:2012.

GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. CASTRO, Susana de. A nova filosofia da educação. São Paulo: Manole: 2014.

RIBEIRO, Darcy. A universidade necessária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.

RODRIGUES, Alberto Tosi. Sociologia da educação. 6ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

SAVIANI, Demerval. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 11°ed. São Paulo: Autores Associados, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.