PERÍCIA CONTÁBIL E PROVA SUBJETIVA: o desafio da produção da prova pericial

Fernando de Jesus

Resumo


Ao apresentar os fundamentos epistemológicos do Direito, Psicologia Jurídica e da Perícia Contábil, busca-se delimitar o campo da produção da prova pericial subjetiva. Desta maneira, propiciar um entendimento fenomenológico cognitivo sobre a relação entre a norma do direito e sua demanda na construção explicativa das subjetividades à origem dos fatos. O objetivo deste artigo foi examinar e discutir o processamento das provas subjetivas. Para tanto, se utilizou do método fenomenológico e dedutivo. Concluiu-se que, os  processos subjetivos são sempre operações de processamento de informações conforme a visão de mundo do observador. A análise desta relação entre o mundo interno e mudo externo é que nos possibilita descrever e avaliar o significado e intencionalidade da conduta para determinação de sua causalidade. Pode-se assim chegar a uma imputação objetiva no cometimento do delito, especialmente nos crimes de corrupção e de colarinho branco, que são de difícil determinação de autoria, evitando-se também a ocorrência de possíveis erros
judiciais.


Texto completo:

PDF

Referências


APPOLINÁRIO, Fabio. Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. 2.ed. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

ARCE, R., PRIETO, A.; SOBRAL, J. Manual de Psicología Jurídica. Barcelona: Paidós, 1994.

BARTOL, C. R.; BARTOL, A. M. Psychology and law: research and application. Pacific Grove: Brooks/Cole Publishing Company, 1994.

BAYES, R., MUNNÉ, E.; SABATÉ, M. Introducción a la Psicología Jurídica. Barcelona: Trillas, 1980.

BLACKBURN, R. What is forensic psychology? Legal and Criminological Psychology, 1, 3-16, 1996.

COLÉGIO OFICIAL DE PSICÓLOGOS (ESPANHA). Perfil, rol y formación del psicólogo jurídico. Madrid, 1997.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE – NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015. Disponível em http://www.normaslegais.com.br/legislacao/nbc-tp-01-2015.htm. Acessado em 29.11.2017.

FERRAJOLI, Luigi. Direito e Razão: teoria do garantismo penal. Trad. Ana Paula Zomer Sica, Fauzi Hassan Choukr, Juarez Tavares e Luiz Flávio Gomes. 3ª edição. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2010.

FODOR, J. A. The language of thought. Now York: Thomas Y Crowell, 1975.

FODOR, J. A. Psychosemantics: The problem of meaning in the philosophy of mind. Cambridge, MA: MIT Press, 1987.

FODOR, J. A. LOT2: Language of thought revisited. Oxford University Press, 2008.

FRIEDRICH, C. J.. La filosofia del Derecho. México: Fondo de Cultura Economica, 1993.

GARRIDO, E. M. Relaciones entre la psicología y la ley. In: ARCE, R.; PRIETO, A. SOBRAL, R. Manual de psicología jurídica. Barcelona: Paidós, 1994.

GOMES, William B.; GAUER, Gustavo. Presentação ou Representação: Constituintes Fenomenais da Intencionalidade Cognitiva. In LOPES, Ederaldo José (Org), Temas em ciências cognitivas & representação mental. Porto Alegre: Sinopsys, 2012.

HANEY, C. Psychology and legal change: on the limits of a factual jurisprudence. Law and Human Behavior, 4, 147-199, 1980.

HUSSERL, Edmund. Investigações Lógicas. Trad. Zeljko Loparic. São Paulo: Nova Cultural, 2005.

JESUS, Fernando. Juízes e Jurados: Raciocínio, ideologia e processos de atribuição em tomada de decisão em um caso de violação. Universidade de Santiago de Compostela, Espanha, 1996. Tese de doutorado não-publicada.

______. Perícia e investigação de fraude: uma análise psicológica e operacional na evidenciação de fraude. 2. ed. Goiânia: AB Editora, 2000.

______. Perícia e Investigação de fraude: uma análise psicológica e operacional na evidenciação de fraude. 3. ed. Goiânia: AB Editora, 2005.

______. Psicologia aplicada à Justiça. 3.ed. Goiânia: AB Editora, 2005.

______. Psicologia aplicada à Justiça. 4.ed. Goiânia: AB Editora, 2016.

______. Inteligência jurídica e forense: a problemática na gestão judicial da prova subjetiva. Goiânia: AB Editora, 2017.

JAKOBS, Gunther. A imputação objetiva no direito penal. Trad. André Luis Callegari. 5ª edição. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014.

JAMES, William. Princípios de Psicología. Trad. Domingo Barnes. Buenos Aires, Corrientes: Buenos Aires, 1945

JUAREZ, Adriana Gil; SAMUEL-LAJEUNESSE, Joel Feliu. Psicología económica y del comportamiento del consumidor. Barcelona: Editorial UOC, 2004.

LUHMANN, Niklas. Poder. Brasília: UNB, 1985a.

______. Sociologia do direito. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985b.

MATTHEWS, R. J.. The measure of mind: Propositional attitudes and their attribution. New York: Oxford University Press, 2007.

NASCIMENTO, E. D. Lógica aplicada à advocacia: técnica de persuasão. 4. ed. rev. e ampl. São Paulo: Saraiva, 1995.

NUCCI, Guilherme de Souza. Provas no Processo Penal. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2013.

PETRELLA, R. C., POYTHRESS, N. G. The quality of forensic evaluations: an interdisciplinary study. Journal of Consulting and Clinical Psychology, n. 51, p. 76-85, 1983.

POYTHRESS, N. G. A proposal for training in forensic evaluations. American Psychologist, 1979. n.34, p.6l2-62l.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei; LAMY, Eduardo de Avelar. Teoria Geral do Processo. 3ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

SALGADO, Joaquim Carlos. A idéia de Justiça no Mundo Contemporâneo: fundamentação e aplicação do direito como maximum ético. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

THAGARD, P. Mind: An Introduction to cognitive science (2 ed.). Cambridge, MA: MIT Press, 2005.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl; PIERANGELI, José Henrique. Manual de Direito Penal Brasileiro. Volume 1 – Parte Geral. 8.ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2009.

ZAFARONI, Raúl. Humanitas en el Derecho Penal. Revista Superior de Justiça, volume 1, no1 , abril, 2011, p.19-34

WELZEL, Hans. Derecho penal aleman: parte general. Trad. Juan Bustos Ramírez e Sérgio Yanez Pérez. Santiago: Editorial Jurídica de Chile, 1976.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.