O ASSÉDIO MORAL EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA

Hélcia Daniel da Silva, Lila de Fátima de Carvalho Ramos, Kátia Barbosa Macêdo

Resumo


O texto tem como objetivo discutir e apresentar dados sobre os indicadores de prazer-sofrimento e assédio moral em uma Instituição Pública com trabalhadores na área de saúde. Utilizou a abordagem teórica e metodológica da clínica psicodinâmica do trabalho, que abordou o assédio moral partindo do pressuposto da centralidade do trabalho para a constituição psíquica do indivíduo e sua mobilização subjetiva a partir de suas relações de trabalho. Assédio Moral é uma conduta abusiva, manifestada em comportamentos, palavras e ações que podem gerar efeitos negativos na saúde psicológica e física. Assim, analisou-se as vivências de prazer-sofrimento causadas pelo assédio moral num grupo de profissionais, discutindo suas causas e consequências no ambiente de trabalho. Foram elaboradas questões norteadoras sobre as categorias da psicodinâmica e clínica do trabalho evidenciando a mobilização subjetiva e o assédio moral como o elemento central do estudo. Realizou-se quatro sessões de discussões coletivas com dez participantes. Como resultados, foram evidenciados a incidência do assédio moral em diversos níveis hierárquicos e entre pares gerando angústia, raiva, baixa auto-estima, o adoecimento e o afastamento do trabalho. Notou-se condições psicológicas agravantes em determinados participantes, decorrentes da organização do trabalho, metas e resultados exigidos, envolvendo sobrecarga, pressão sobre resultados dentre outros. Ainda como resultado foi evidenciada a falta de reconhecimento, a falta de condição de fala e de ações de melhorias por parte dos agentes, provocando desmotivações dos mesmos.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, M. M. S. Assédio moral: acidente invisível que põe em risco a saúde e a vida do trabalhador. Rio de Janeiro: Sindipetro, 2003.

CARVALHO, G. O mobbing nos enfermeiros. INFAD Revista de Psicologia, 2009.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. Cortez, 1991.

_________, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. Tradução de Ana Isabel Paraguay e Lúcia Leal Ferreira. 5. ed. ampliada. São Paulo: Cortez Oboré, 1987, 1992.

__________, C. A Banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas. 1999 a.

__________, C. Conferências brasileiras: identidade, reconhecimento e transgressão no trabalho. São Paulo: Fundap, 1999.

____________, C. O fator humano. Tradução de Maria Irene S. Betiol e Maria José Tonelli. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1995, 1997, 2005.

___________;ABDOUCHELLI, E; JAYET, C. Psicodinâmica do Trabalho – contribuições da escola Dejouriana à análise de prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994, 2009.

____________, C. The management from a working perspective. USP Conference on Engineering 2012, Escola Politécnica da USP, 7 de novembro de 2012, 2012a.

_____________ C. . Trabalho Vivo, Sexualidade e trabalho, Tomo 1. Tradução- Franck Soudant. Paralelo 15, Brasília, 2012.

_____________ C. Trabalho Vivo, Trabalho e Emancipação, Tomo 2. Tradução – Franck Soudant. Paralelo 15, Brasília, 2012.

DEJOURS, C. The management from a working perspective. USP Conference on Engineering 2012, Escola Politécnica da USP, 7 de novembro de 2012, 2012a.

FLEURY, A.D. MACÊDO, K. B. O trabalho e a Docência em uma Instituição de Ensino Superior Pública: o caso dos professores de odontologia da universidade federal de Goiás, Tese de doutorado, PUC-GO, 2013.

GUIMARÃES, E. O empreendedorismo a partir de uma visão Psicodinâmica. Dissertação de Mestrado em Psicologia pela PUC-GO. Defesa , Dezembro, 2012.

HELOANI, J. R. Assédio Moral: Um ensaio sobre a expropriação da dignidade no trabalho. RAE eletrônica, v.3, n.1, 2004.

___________, J., LANCMAN, S. Psicodinâmica do Trabalho: o método clínico de intervenção. Produção, v. 14 n 3, p. 077-086, set/dez. 2004.

HIRIGOYEN, M. F. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 2000/2001.

____________. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. Ed. Bertrand. Rio de Janeiro. Brasil, 2002.

LEYMANN, H.. The mobbing encyclopaedia; file 13100e. in –http://www.leymann.se/English/frame.html 1996. acesso – 07.06.2015

LOMBA, A. D.S, Assédio moral nas organizações: Como compreender o indivíduo e as equipes no ambiente de trabalho. Niterói, RJ, 2010.

MACÊDO, K. B. O Trabalho de quem faz arte e diverte os outros. Goiânia: Puc – Goiás, 2010.

__________ , K. B, (orgs) O diálogo que transforma - A clínica psicodinâmica do trabalho, Goiânia: Editora PUC-GO, 2015.

MENDES, A. M. B.. Prazer e sofrimento no trabalho qualificado: Um estudo com engenheiros de uma empresa pública de telecomunicações. Orientação da Prof. DrªJulia Issy Abrahão. Dissertação de Mestrado em Psicologia pela UnB, 1994.

MERLO, A. R. E MENDES, A. M.. "Perspectivas do uso da psicodinâmica do trabalho no Brasil: teoria, pesquisa e ação." Cadernos de Psicologia Social do trabalho 12.2 2009.

MOURA, Yokoyama N. O Mobbing nas Organizações de Trabalho. 2005. Disponível em: http://www.ujaen.es/revista/reid/revista/n2/reid2art3.pdf, acess. 08,06,2015.

PAMPLONA, R. F. O assédio sexual na relação de emprego. São Paulo: LTr, 2002.

PIÑUEL y ZABALA, I. Un 15% de los trabajadores españoles son víctimas del mobbing. Revista Informativa Del Instituto Riojano de Salud Laboral, 2, 2002.

PIRES, J. C. S.; MACÊDO, K. B. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 81-105, jan./fev. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.