AVALIAÇÃO DO POTENCIAL MUTAGÊNICO DO CLORIDRATO DE METILFENITADO EM CÉLULAS MERISTEMÁTICAS DE Allium cepa

Lorrane Rodrigues da Silva, Murillo de Sousa Pinto, Gabriela Rodrigues de Sousa, Aroldo Vieira de Moraes Filho

Resumo


RESUMO: A Ritalina® (cloridrato de metilfenidato) tem sido o medicamento de primeira escolha no tratamento de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Devido ao seu consumo em massa pelo ser humano e a escassez de estudos que elucidam sua relação com a mutação, é importante investigar se a RITALINA® é um agente mutagênico/carcinogênico em potencial. Por isso, com o objetivo de avaliar o potencial citotóxico e mutagênico da Ritalina® em Allium cepa, foi realizada uma pesquisa experimental com três concentrações testes do medicamento, controles positivo e negativo e feita a contagem em 5000 células que apresentaram divisão, não divisão e mutação. O fármaco apresentou potenciais citotóxicos e mutagênicos comparado ao controle negativo. Portanto, é notável a necessidade de avaliar o risco/benefício na prescrição do medicamento por ser o fármaco mais utilizado no tratamento de TDAH.

 

Palavras-chave: Genotoxicidade. Mutagênese. Ritalina.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M. P. T., SOUSA, G. R., FERREIRA, G. A., PORTO, H. K. P., SANTOS, M. O., OLIVEIRA, V. P. C., & FILHO, A. V. M. (2017). Avaliação do potencial antimutagênico e mutagênico do nanovetor vitamina c em células meristemáticas de raiz de Allium cepa. Saúde & Ciência Em Ação, 3(2), 40-51.

BARBOSA, K.B.F. et al. Estresse oxidativo: conceito, implicações e fatores modulatórios. Rev. Nutr., Campinas, 23(4):629-643, jul./ago., 2010

BIANCHI, E., FARAONE, S., ORTEGA, F. J., GONÇALVES, V. P., & ZORZANELLI, R. T. (2017). Controversias sobre ADHD y metilfenidato en discusiones sobre medicalización en Argentina y Brasil. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 27, 641-660.

CASTELLS, X., BLANCO‐SILVENTE, L., & CUNILL, R. (2018). Amphetamines for Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD) in Adults. Cochrane Database Of Systematic Reviews, (8).

ESHER, A., & COUTINHO, T. (2017). Uso racional de medicamentos, farmaceuticalização e usos do metilfenidato. Ciência & Saúde Coletiva, 22, 2571-2580.

EVANGELISTA, L. N. (2019). As consequências da privação do sono e os efeitos do uso indiscriminado de psicoestimulantes. http://bdm.unb.br/handle/10483/21239

FERNANDES, L. A., MAIA, G., APOLINÁRIO-SOUZA, T., & RIBEIRO-SILVA, P. C. (2018). Análise do exercício físico em crianças com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): Uma Revisão Integrativa. Revista Da Associação Brasileira De Atividade Motora Adaptada, 19(1).

FERREIRA, M. S. (2018). Medicalização da vida. Alumni-Revista Discente Da Uniabeu-Issn 2318-3985, 5(10), 26-34.

LESSA, L. R., DA SILVA, M. C. C., & CARIELLO, F. D. M. R. (2017). Fundamentos e aplicações do Allium cepa como bioindicador de mutagenicidade e citotoxicidade de plantas medicinais. Revista Intertox De Toxicologia, Risco Ambiental E Sociedade, 10(3).

LOPES, P. A. D. V. (2017). Consumo de drogas em jovens adultos no norte de Portugal. Bachelor's Thesis, [Sn].

MAN, K. K., et al. (2015). Methylphenidate and the risk of trauma. Pediatrics, 135(1), 40-48.

MARCON, C., DA SILVA, L. A. M., DE MORAES, C. M. B., MARTINS, J. S., & CARPES, A. D. (2016). Uso de anfetaminas e substâncias relacionadas na sociedade contemporânea. Disciplinarum Scientia| Saúde, 13(2), 247-263.

MEDEIROS, J. M., & BARBOSA, A. G. (2017). Uso não prescrito de cloridrato de metilfenidato entre estudantes universitários. Revista De Pesquisa Interdisciplinar, 2(2).

MOURA, M. H. D. (2017). As consequências do uso prolongado e não terapêutico do metilfenidato. Http://Repositorio.Faema.Edu.Br:8000/Jspui/Handle/123456789/1247

OLIVEIRA, D. B. D., RAGAZZO, A. C. S. M., BARRETO, N. M. P. V., & OLIVEIRA, I. R. D. Prevalência do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em uma Escola Pública da Cidade de Salvador, Bahia. (2016).

POPI, J. M., DE SÁ RIECHI, T. I., & HAMDAN, A. C. (2017). Triagem Infantil Neuropsicológica Computadorizada para Indicação do TDAH em Crianças e Adolescentes. Psicologia Argumento, 34(84).

RODRIGUES, D. D., DOS SANTOS, B. K., SILVA, R., DA SILVA, R. R., SANTANA, D. L., & DOS SANTOS, W. M. S. (2016). Padronização da Técnica do Allium cepa para Pesquisa de Danos Mutagênicos em Infusão de Planta na Cidade de Guaraí. Revista Eletrônica De Farmácia, 13(1.1).

RODRIGUES, T. D. S. (2018). Dislexia e TDAH no Ensino Superior: O Recurso à Medicalização Como Privilégio para o Ingresso?

RON, A. G., BLASCO-FONTECILLA, H., HERNANI, B. H., & CHUECA, J. S. (2015). Tratamiento farmacológico estimulante del TDAH. Revista Española de, 71(2), 75-81.

SANTOS, J. C., SILVA, S. C., & ORSOLIN, P. C. (2018). Efeito Modulador Da Ritalina® (Metilfenidato) Sobre A Ação Carcinogênica Da Doxorrubicina Em Drosophila Melanogaster. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 20(4), 207-211.

SCHMITZ, F. Tratamento Precoce Crônico com uma Dose Clinicamente Relevante de Metilfenidato Aumenta os Níveis de Glutamato no Líquido Cefalorraquidiano e Prejudica a Homeostase Glutamatérgica em Córtex Pré-Frontal de Ratos. (2015).

SILVA JÚNIOR, D. S., COSTA, K. S., SILVA, D. S., TELES, F. D. D., MARCOLINO, M. M. V., & SCHNEID, J. L. (2016). Prevalência Do Uso De Metilfenidato Entre Acadêmicos De Medicina Do Centro Universitário Unirg–Tocantins. Revista Cereus, 8(3), 172-188.

SOUZA, A., SANTOS, R., SILVA, W., & CARVALHO, A. (2017). Como A Família E A Escola Podem Contribuir Para O Processo De Aprendizagem De Alunos Portadores De Tdah. Anais 4ª Jornada De Iniciação Científica, 99.

SOUZA, F. A., & OLIVEIRA, V. C. (2018). Transtorno Do Déficit De Atenção E Hiperatividade: Atuação Do Psicólogo Apoio À Criança Com TDAH. Psicologia E Saúde Em Debate, 4(Suppl1), 21-21.

STOREBØ, O. J., et al. (2015). Methylphenidate for Children and Adolescents with Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD). Cochrane Database Of Systematic Reviews, (11).

TENÓRIO, F. (2016). Instrumentação Em Farmacodependência. Fundação CECIERJ. v.u.

WAGNER, F., ROHDE, L.A.P., TRENTINI, C.M. (2016). Neuropsicologia Do Transtorno De Déficit De Atenção/Hiperatividade: Modelos Neuropsicológicos E Resultados De Estudos Empíricos. Psicousf. Bragança Paulista, Sp. Vol. 21, N. 3 (Set./Dez. 2016), P. 573-582.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.