AÇÕES DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO POR CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL F

Francinete Cristina de Araújo Barros, Simone Castro dos Santos, Cristiano da Cunha Jordão

Resumo


RESUMO: As infecções hospitalares são definidas como as adquiridas no período de internação ou até mesmo após alta, caso esteja relacionada ao período hospitalar. O cateter central de inserção periférica (PICC) é uma opção de acesso venoso central bastante utilizada em recém-nascidos internados em unidades de terapia intensiva neonatal. Dentre os cuidados após passagem do PICC podemos citar a garantia de um acesso venoso confiável para o recém-nascido internado, pois necessita da administração de soluções e medicamentos, para isso, capacitação permanente à toda equipe visando a prevenção de infecção aos pacientes da UTI neonatal com uso de PICC. O presente estudo trata-se de uma pesquisa descritiva com revisão integrativa de literatura realizada através do portal da BIREME (Biblioteca Regional de Medicina), BDENF (Base de Dados de Enfermagem), SCIELO (Scientific Eletronic Library Online), entre outros  E tem como objetivo abordar as ações do enfermeiro na prevenção de infecção por cateter central de inserção periférica (PICC) em unidade de terapia intensiva neonatal, conclui-se como resultado  a importância de se produzir mais pesquisas sobre a utilização do cateter pela equipe de enfermagem, afim de evitar complicações recorrentes relacionadas ao manejo do cateter.  Contudo, faz-se necessário manter os profissionais de saúde constantemente atualizados, com investimento na qualificação e capacitações de enfermeiros e equipe de enfermagem em geral, abordando procedimento de inserção, manutenção e remoção do cateter.

 

Palavras-chave: Enfermeiro. Prevenção. Infecção. Neonatal. Cateter.


Texto completo:

PDF

Referências


ANVISA- Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Critérios Diagnósticos de Infecção Associada à Assistência à Saúde Neonatologia. Série Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. Capítulo 1 – pag.21-23-25. 2017.

BAIOCCO, GG; SILVA, JLB. A utilização do cateter central de inserção periférica (CCIP) no ambiente hospitalar. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 2010, vol.18

n.6, pp.1131-1137. ISSN 1518-8345. Disponível Acesso em: 30de abril. 2020.

BEIRAL FMF. Prevenção de Infecção Primária da Corrente Sanguínea Relacionada ao Cateter Central de Inserção Periférica (PICC). São Paulo, 2015. Acesso em 12/09/2019. Disponível em: Acesso em 30 de abril de 2020.

BORGHESAN, NBA.; DEMITTO, MO.; FONSECA, LMM.; FERNANDES, CAM et. al. Cateter venoso central de inserção periférica: práticas da equipe de enfermagem na atenção intensiva neonatal. Disponível em: Acesso em 30 de abril de 2020.

BRAGA LM.Cateterismo venoso periférico: compreensão e avaliação das práticas de enfermagem. Texto contexto enferm. Vol.28 Florianópolis 2019 epub apr 18, 2019. Disponível em Acesso em 30 de abril de 2020.

COFEN-Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN258/2001. Inserção de cateter periférico central pelos enfermeiros. São Paulo; 2001. Disponível em < http://site.portalcofen.gov.br/node/4296. > Acesso em 30 de abril de 2020.

COSTA P.; PAIVA ED.; FUMIKO KA.; ELCI CT. Fatores de risco para infecção de corrente sanguínea associada ao cateter central de inserção periférica em neonatos. Acta Paulista de Enfermagem, vol. 29, núm. 2, marzo-abril, 2016, pp. 161-168 Universidade Federal de São Paulo São Paulo, Brasil. Disponível em Acesso em 30 de abril de 2020.

ENY DOREA; et al. Práticas de manejo do cateter central de inserção periférica em uma unidade neonatal. Rev. bras. enferm. vol.64 no.6 Brasília Nov./Dec. 2011. Disponível em Acesso em 30 abril de 2020.

FERREIRA, LA.; MAGALHÃES, FJ; ROLIM, KMC; SILVA, F; et al. Intervenções de Enfermagem no uso do PICC em pediatria e neonatologia: evidências científicas. Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2. Atas CIAIQ, 2018.

Disponível em: acesso em 30 de abril de 2020.

GOMES, AVO; NASCIMENTO, MAL; SILVA, LR; SANTANA, KCL. Efeitos adversos relacionados ao processo do cateterismo venoso central em unidade intensiva neonatal e pediátrica. Rev. eletrônica enferm; 14(4): 883-892, dez. 2012. Disponível em< http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-693861. > Acesso em: 01 de abril de 2020.

LOPES MR. Complicações relacionadas ao uso do cateter central de inserção periférica em UTINs No Brasil-Niteroi [s/n] 2014. Disponível em: https:// app.uff.br/riuff/biststream/131961tcc%20% Mariana%20Ribeiro%20Lopes.pdf>Acesso em: 30 de abril de 2020.

LOURENÇO SA; OHARA, CVS. Conhecimento dos enfermeiros sobre a técnica de inserção do cateter central de inserção periférica em recém-nascidos. Rev. Latino-Am. Enfermagem, mar-abr, v.18, n.2, p.49-56, 2010. Disponível em < www.eerp.usp.br/rlae> Acesso em 30 de abril de 2020.

LUI AML; ZILLY A; FRANÇA AFO; et al.Cuidados e limitações no manejo do cateter. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro 2018; 8/1918. Disponível em: Acesso em: 02 de maio de 2020.

MONTES, SF.; TEIXEIRA, JBA; BARBOSA, M.; BARICHELLO, E. Ocorrência de complicações relacionadas ao uso de Cateter Venoso Central de Inserção Periférica (PICC) em recém-nascidos. Revista eletrônica semestral de Enfermeira, 2011. Disponível emacesso em 03 de maio de 2020.

PAIVA, ED.; CASTRO, TE. COSTA, P; KIMURA, AF; SANTOS, FMG. Práticas de manejo do cateter central de inserção periférica em uma unidade neonatal. Rev. Bras. Enferm. Brasília, v.64, n.6p997-1002 nov-dez,2011. Disponível Acesso em 03 de maio de 2020.

SÁ NETO JÁ; et al. Conhecimento de enfermeiros sobre o PICC. Rev. enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2018;26: e33181. Disponível em< http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.

33181> acesso em 03 de maio de 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.