ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA: PRINCIPAIS TÉCNICAS, LEGISLAÇÕES E ASPECTOS ÉTICOS

Brunna da Silva Oliveira, Cyntia Ramos de Paula Camargo, Felipe Braga dos Santos, Ludimila Cristina Souza Silva, Aroldo Vieira de Moares Filho

Resumo


RESUMO: A impossibilidade de procriação de forma natural é situação recorrente na sociedade. Dessa forma, as Técnicas de Reprodução Assistida (TRA) representam uma alternativa, na qual processos específicos criam condições para o alcance da maternidade ou paternidade. Diante da necessidade de exploração do tema, este trabalho aborda, por meio de uma revisão da bibliografia, os principais aspectos sobre as técnicas de tratamento indicadas, considerando ainda fatores políticos e éticos. Uma série de artigos científicos encontrados nas plataformas Pubmed, Scielo e Lilacs publicados nos últimos 20 anos foram analisados. Após o levantamento do material bibliográfico foi possível discorrer sobre as principais técnicas utilizadas no campo da Reprodução Humana Assistida (RHA), os tratamentos objetivam o mesmo fim, correspondente à gestação de uma criança, que é alcançada de maneiras diferentes de acordo com a técnica adotada. Ressalta-se ainda sobre a ausência de legislação no campo da RHA, o que compromete os aspectos patológicos e éticos ligados às técnicas em questão. 

 

Palavras-chave: Ética. Legislação. Fertilização in vitro.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. P. M et al. Estimulação ovariana controlada e inseminação intrauterina; uma terapia atual. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 33, n. 11, p. 341-347, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-72032011001100004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 22 nov. 2018.

ALVES, A, L., OLIVEIRA, C. O. Reprodução medicamente assistida: questões bioéticas. Revista Bioética, v. 22, n. 1, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bioet/v22n1/a08v22n1.pdf. Acesso em: 01 dez. 2018.

AVELAR, E P. A responsabilidade civil médica em face das técnicas de Reprodução Humana Assistida. 269 f. Dissertação (Mestrado em direito) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

BERLINGUER G. A mercadoria final: a comercialização de parte do corpo humano. Brasília: Editora Unb; 2001.

BRAZ, M. Bioética e saúde: novos tempos para mulheres e crianças? Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005. Criança, mulher e saúde collection, pp. 169-194. ISBN: 978-85-7541-540-5. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2006000200024. Acesso em: 28 nov. 2018.

BUSSO, N. E. Fertilização in vitro com injeção intracitoplasmática de espermatozóide em ciclos naturais. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 29, n. 7, p. 340-345, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-72032007000700003&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 26 nov. 2018.

CORRÊA, M. CD; LOYOLA, M. A. Tecnologias de reprodução assistida no Brasil: opções para ampliar o acesso. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 25, p. 753-777, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73312015000300753&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 26 nov. 2018.

CORRÊA, M. Ética e reprodução assistida: a medicalização do desejo de filhos. Revista Bioética, v. 9, n. 2, 2009. Disponível em: http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/246. Acesso em: 26 nov. 2018.

CORRÊA, M. V. Novas tecnologias reprodutivas – limites da biologia ou biologia sem limites? Rio de Janeiro: Editora UERJ, 2001.

DINIZ, D. Tecnologias reprodutoras, ética e gênero: o debate legislativo brasileiro. Bioética: alguns desafios. São Paulo. 2001.p.203-24.

FIGUEIREDO, H. M. V. A procriação medicamente assistida e as gerações futuras. Coimbra: Gráfica de Coimbra; 2005.

FRAZÃO, A. G. A fertilização in vitro: uma nova problemática jurídica. Jus Navigandi, Teresina, a, v. 4, 2002.

FREITAS, M; SIQUEIRA, A; SEGRE, C. Avanços em reprodução assistida. Journal of Human Growth and Development, v. 18, n. 1, p. 93-97, 2008. Disponível emhttp://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822008000100012. Acesso em: 02 dez. 2018.

LEITE, T. H.; HENRIQUES, R. A. H. Bioética em reprodução humana assistida: influência dos fatores sócio-econômico-culturais sobre a formulação das legislações e guias de referência no Brasil e em outras nações. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 24, p. 31-47, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73312014000100031&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em: 04 dez. 2018.

MAKUCH, M. Y. et al. Procedimentos de fertilização in vitro: experiência de mulheres e homens. Psicologia em estudo, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722010000400013. Acesso em: 28 nov. 2018.

MOURA, M. D; SOUZA, M. C. B; SCHEFFER, B. B. Reprodução assistida: Um pouco de história. Revista da SBPH, v. 12, n. 2, p. 23-42, 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582009000200004. Acesso em: 01 dez. 2018.

OLIVEIRA, N. B; FREIRE, S. F. Panorama bioético e jurídico da reprodução humana assistida no Brasil. Revista de bioética y derecho, n. 34, p. 64-80, 2015. Disponível em: http://revistes.ub.edu/index.php/RBD/article/view/12067. Acesso em: 01 dez. 2018.

PEREIRA, K. K. P. C. S., FÁTIMA, O. D. F. A. As Principais Técnicas de Reprodução Humana Assistida. Saúde & Ciência Em Ação, 2016. Disponível em: http://revistas.unifan.edu.br/index.php/RevistaICS/article/view/182. Acesso em: 04 dez. 2018.

SILVA, S. M. R. Consentir incertezas: o consentimento informado e a (des) regulação das tecnologias de reprodução assistida. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, p. 525-534, 2008. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/7902. Acesso em:

SILVA, C. P.; VERZELETTI, F. B. Avaliação do desenvolvimento embrionário através da técnica de ICSI (Injeção Intracitoplasmática de Espermatozóide). Cadernos da Escola de Saúde, Centro Universitário Autônomo do Brasil. v.1, n. 11, 2014. Disponível em: http://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/cadernossaude/article/view/2411. Acesso em: 01 dez. 2018.

SOUSA, V. et al. Que fatores influenciam o sucesso da inseminação intrauterina intraconjugal. Acta Obstétrica e Ginecológica Portuguesa, v. 11, n. 2, p. 98-103, 2017. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-58302017000200006. Acesso em: 02 dez. 2018.

SOUZA, M. C. As técnicas de reprodução assistida. A barriga de aluguel. A definição da maternidade e da paternidade. Bioética. Revista da EMERJ, v. 13, n. 50, p. 350-351, 2010. Disponível em: http://www.emerj.tjrj.jus.br/revistaemerj_online/edicoes/revista50/Revista50_348.pdf. Acesso em: 04 dez. 2018.

SOUZA, M. C. B; DECAT, M; GRYNSZPAN, D. Vivências em tempo de reprodução assistida: o dito e o não-dito. Rio de Janeiro: Revinter, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.