A PREVALÊNCIA DA SÍFILIS CONGÊNITA NO BRASIL: uma breve revisão

Daniel do Carmo M Pinheiro, Deilhe P. Vargas Oliveira, Tathiane Christina da Silva, Benedito Rodrigues da Silva Neto

Resumo


RESUMO: Introdução: A história da sífilis começa na antiguidade, causada pela espiroqueta Treponema pallidum, acomete todo o organismo evoluindo em períodos agudos e outros de latência. A forma mais grave da sífilis é a congênita, essa patologia apresenta elevada prevalência, afetando dois milhões de gestantes no mundo. Objetivo: Abordar informações para esclarecimento geral da sociedade quanto à importância da prevenção, diagnóstico e tratamento adequado da sífilis e evidenciar sífilis congênita. Métodos: Trata-se de um estudo analítico e qualitativo, cuja coleta de dados foi realizada entre os meses de fevereiro e outubro de 2014, junto aos discentes que cursam o último período de Biomedicina na Faculdade Padrão em Goiânia. Foi utilizado o método de revisão bibliográfica, baseado em artigos científicos sobre sífilis congênita no Brasil, publicados entre os anos de 2010 e 2014. Resultados: Apesar das melhorias no campo de saúde pública, no Brasil ainda tem alta incidência de sífilis. É um motivo de preocupações para as autoridades na área de saúde pública, ocorrendo no mundo mais de 12 milhões de casos por anos, dentre estes, 900 mil casos no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. Conclusão: A sífilis congênita ainda é um grande desafio para se reduzir o número de casos, campanhas de conscientização podem ser instrumentos capazes de reduzir bruscamente o número casos, a informação e conscientização são importantíssimos na luta contra essa doença.

 

PALAVRAS-CHAVE: Sífilis. Transmissão Vertical. Diagnóstico

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, C. L. et al. Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev. Saúde Pública, vol.46, no.3, São Paulo, 2012.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Atenção ao Pré-Natal e Baixo Risco. Brasília, DF, 2012.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico Sífilis 2012. Brasília, DF, 2012.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis; Manual de Bolso. Brasília, DF, 2007.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Antirretroviral em Gestantes. Brasília, DF, 2010.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sífilis: Estratégias para Diagnóstico no Brasil. Brasília, DF, 2010.

COSTA, M. C. et al. Doenças sexualmente transmissíveis na gestação: uma síntese de particularidades. Anais Brasileiros de Dermatologia Vol.85, Rio de Janeiro, 2010.

DAMASCENO, A. B. A. et al. Sífilis na Gravidez. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, Rio de Janeiro, RJ, 2014.

DOMINGUES, R. M. S. M. et al. Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Rev. Saúde Pública. Vol.47, n.1, São Paulo. 2013.

FERREIRA, L. J. M.; Infecção por Treponema pallidum: análise sorológica e pesquisa de DNA. UNL. Lisboa, Portugal, 2013.

GALATOIRE, P. S. A.; ROSSO, J. A.; SAKAE, T. M. Incidência de Sífilis Congênita nos Estados do Brasil no Período de 2007 a 2009. Arq. Catarin. Med. 2012.

GUINSBURG, R.; SANTOS, A. M. N.; Critérios Diagnóstico e Tratamento da Sífilis Congênita. Sociedade Brasileira de Pediatria, São Paulo, 2010.

LOUREIRO, M. D. R.; Infecção pelo Treponema pallidum em gestantes e sua transmissão vertical, Mato Grosso do Sul. UFMS, Campo Grande, MS, 2009.

OLIEIRA D.R, FIGUEIREDO M. S. N. ; Abordagem conceitual sobre a sífilis na gestação e o tratamento de parceiros sexuais. Artigo Original: Enfermagem em Foco, 2011.

SANTOS, V. C.; ANJOS, K. F.; Sífilis: Uma Realidade Prevenível. Sua Erradicação, Um Desafio Atual; Revista Saúde e Pesquisa, v.2, n.2, ISSN, 2009.

SARACENI, V.; MIRANDA, A. E. Relação entre a cobertura da Estratégia Saúde da Família e o diagnóstico de sífilis na gestação e sífilis congênita. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2012.

SILVA, A. C.; ALMEIDA, F. L. V.; SOUSA, V. F. Tratamento da Sífilis, FUG. Trindade, GO, 2011.

SONDA, E. C. et al. Sífilis Congênita: uma revisão da literatura. Rev. de Epidemiol Control Infect, UNISC, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.