AS PRINCIPAIS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO HOSPITAL DE MEDICINA ALTERNATIVA DE GOIÂNIA-GOIÁS

Gisllane Gomes Fabiano, Daniella da Silva Porto Cavalcanti

Resumo


Resumo: A arte de curar por meio de plantas medicinais existe desde os tempos mais remotos da civilização e atualmente está se destacando pela sua comprovação cientifica. Neste estudo, foi realizado um levantamento com um questionário que aborda as questões referentes às principais plantas medicinais utilizadas no Hospital de Medicina Alternativa-HMA de Goiânia – GO. Destaca-se a utilização destas plantas para tratamento de doenças respiratórias, digestiva, musculares, diabetes e pressão arterial, entre outras. Foi observada a forma de cultivo, preparo e acondicionamento destas plantas, no referido hospital. Pode-se afirmar que a Medicina alternativa apresenta uma revalorização crescente com benefícios para a população. Ressalva-se a importância do HMA nesse contexto.

 

Palavras-chave: Plantas medicinais. Fitoterapia. HMA.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, D.R; ARAÚJO, C.M; RODRIGUES, L.N.S; SANTOS, R.S; PEIXOTO, J.C. Levantamento etnobotânico das espécies de plantas medicinais do cerrado mais comercializadas no setor central de Goiânia-GO – Brasil. 2007. Disponível em < http://www.ufg.br/conpeex/2007/trabalhos/outraspesquisas.pdf >acesso em 06 de maio de 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2006b. 60 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

BRASIL, ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC Nº 67, de 8 de Outubro de 2007.Dispõe sobre Boas Práticas de Manipulação e Preparações Magistrais e Oficinais para Uso Humano em Farmácias.Ministério da Saúde.Brasília – DF, 2007.

BARATA L. Empirismo e ciência: fonte de novos medicamentos. Rev Cult v.5, n.4, p. 4-5, 2005.

BOORHEM, R.L. et al. Reader’s Digest- Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Reader’s Digest Brasil Ltda., Rio de Janeiro, 1999, 416p.

CAMARGO, M.T.L.A. Medicina Popular. Alameda Editora, São Paulo, 1985.

CRUZ, G.L. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. 5. ed. Editora Bertrand, Rio de Janeiro.1995

CORRÊA, A.D. et al. 1998. Plantas Medicinais- do cultivo à terapêutica. 2. ed. Vozes: Petrópolis.

DAMASCENO, Dênis Derly, et al. Efeitos Agudos das Frações Hexânicas de Alho (Allium sativum L.),de Capim-Limão [Cymbopogom citratus (DC) Staff] e de suas Associações sobre a Pressão Arterial de Ratos Anestesiados. Acta Farm. Bonaerense 25 (1): 108-11 (2006)

D’IPPOLITO, JAC, et al.. Fitoterapia magistral: um guia prático para a manipulação de fitoterápicos. São Paulo: Anfarmag. Elbergráfica; 2005.

EVANS, W.C. Trease and Evans Pharmacognosy. Bailliere-Tindal, Philadelphia, 1992, 832p.

FOGLIO, Mary Ann, et. al. Plantas Medicinais como Fonte de Recursos Terapêuticos: Um Modelo Multidisciplinar. São Paulo: Divisão de Fitoquimica, CPQBA/ UNICAMP, 2006.

FRANCESCHINI FILHO, S. Plantas terapêuticas. São Paulo: Ed. Organizações Andrei, 2004.

LIMA, L. Fitoterápicos e usos de plantas medicinais. Jornal da Unesp, ano XVI, n. 166,2006. Disponível em: . Acessado em: 5 nov. 2012.

GOIÁS. Secretaria da Saúde do Estado de Goiás. Hospital de Medicina Alternativa

comemora 20 anos de atividades. sd. Disponível em:

Acesso em 15 set. 2012.

GIL AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo (SP): Atlas; 2002

GRUENWALD, J.; BRENDLER, T. & JAENICKKE, C. (eds.). Physicians Desk References (PDR) for herbal medicines. Med. Econ. Co., New Jersey, 2000, 858p.

LORENZI, HARRI; MATOS, F .J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed .Nova Odessa, São Paulo:Instituto Plantarum,2008

MACIEL, M. A. M.; PINTO, A. C.; VEIGA, V. F. Jr. Plantas Medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Química Nova, v. 25, n. 3, p. 429-438, 2002.

MATOS, F.J.A . Plantas Medicinais- guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no nordeste do Brasil. 2. ed. Imprensa Universitária/Edições UFC, Fortaleza, 2000,344p.

______. Farmácias Vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetado para pequenas comunidades. 4 ed. UFC, Fortaleza, 2002.

MENDES, K .D.S; SILVEIRA, R.C; GALVÃ, C. M. Revisão Integrativa:método de pesquisa para a incorporação de evidencias na saúde e na enfermagem. Texto Contexto –Enfermagem 2008; v., n.4, p: 758-64.

MINAYO, Maria Cecília. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: HUCITEC; Rio de Janeiro: ABRASCO, 2008

MORS,W.B.; RIZZINI, C.T. & PEREIRA, N.A. Medicinal Plants of Brazil. Reference Publications, Inc., Algonac, Michigan, 2000, 501p

RIGOTTI, MARCELO. Melão-de-são-caetano (Momordica charantia L.), uma planta com potencial para a economia agrária e saúde alternativa (s. d.).

SIMÕES, C. M. O. et al. Farmacognosia da Planta ao Medicamento. 5. ed. Florianópolis-SC: UFRGS, Editora, 1999.

_______. Plantas da Medicina Popular no Rio Grande do Sul. 4.ed. Universidade/UFRGS, Porto Alegre, 1998,174p.

SOUZA,M.A.M. Glicemia em ratos cronicamente desnutridos e efeitos de Bauhinia forficata Link (pata-de-vaca) no rato adulto diabético e normal. Tese (Mestrado)- UFPE, 1995.

SOUSA, M.P.; MATOS, M.E.O.; MATOS, F.J.A.et al. Constituintes químicos de plantas medicinais brasileiras. Imprensa Universitária/UFC, Fortaleza, 1991, 416p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.