O USO INDISCRIMINADO DOS ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS

Caroline Ribeiro Pedroso, Francislene Lavor Batista

Resumo


RESUMO: Os anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) representam uma das classes de medicamentos mais consumidos mundialmente. Estes são indicados para o tratamento da dor leve e/ou moderada, artrite reumatóide, osteoartrite, entre outras. O mecanismo de ação é inibir as prostaglandinas e os tromboxanos, que são produtos derivados da inflamação, através do bloqueio das enzimas ciclo-oxigenases COX-1 e COX-2. A COX-1 dita como constitucional ou fisiológica está expressa em vários tecidos e órgãos. A COX-2 dita como induzida ou inflamatória se expressa durante um processo inflamatório, apesar de haver estudos que apontem a COX-2 como constitucional em alguns tecidos. Os efeitos mais comuns causados pela inibição da COX-1 são os gastrointestinais, e com o intuito de diminuir estes efeitos surgiram os inibidores da COX-2, porém causando problemas cardiovasculares. Portanto é indispensável o acompanhamento médico durante um tratamento e jamais fazer uso de modo indiscriminadamente destes fármacos. O objetivo do presente trabalho é conceituar os anti-inflamatórios não esteroidais, citar sua indicação, sua ação terapêutica e seus efeitos adversos relacionados ao uso indiscriminado. O estudo foi realizado através de pesquisa bibliográfica em livros, artigos, publicações em revistas científicas, dissertações e uma busca de dados em bases virtuais como scielo, bireme e medline.

 

Palavras-chave: Anti-inflamatórios não esteroidais. Efeitos adversos. Uso indiscriminado.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, L. F; SOEIRO, A de M; FERNANDES,J. de L; JÚNIOR, C. V. S. Eventos cardiovasculares: um efeito de classe dos inibidores de COX-2. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de cardiologia, vol. 85, nº 3, São Paulo, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/%0D/abc/v85n3/26011.pdf>. Acesso em: 26 Jan. 2013.

BALBINO,C. A. Antiinflamatórios: uma compreensão total. Revista Pharmacia Brasileira, n.81,2011. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2012.

BATLOUNI, M. Anti-inflamatórios não esteoides: efeitos Cardiovasculares, cérebro-vasculares e renais, São Paulo, 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2012.

BERTHOLD, T. B; FERREIRA, P; BERTHOLD, R. C. de B. A influência dos analgésicos não opióides e anti-inflamatórios não esteroides no movimento ortodôntico. Revista de ciências médicas e biológicas, v.11, n. 3, p. 334-337, Salvador, 2012. Disponível em: <>. Acesso em: 26 Fev. 2013.

BORGES, M; MELCHERT, A; FILHO, R. M; LAPOSY, C. B; ALEGRE, B. C. C. P; SILVA, K.R. Função renal, hepática e cardíaca de cães hígidos sob terapia prolongada com Celecoxibe. Santa Maria, 2012. Disponíel em: . Acesso em: 09 Março 2013.

BREDEMEIER, M; WANNMACHER, L. Anti-inflamatórios não esteróides: uso indiscriminado de inibidores seletivosde ciclo-oxigenase 2, Brasília, vol. 1, n.2, 2004. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2012.

CARVALHO, V. A. P; BORGATTO, A. F; LOPES, L. C. Nível de conhecimento dos cirurgiões-dentistas de São José dos Campos sobre o uso de anti-inflamatórios não esteróides. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 março 2013.

CASTRO, S. D. F. de. Hemorragia digestiva alta associada ao consumo de anti-inflamatórios não-esteróides e de ácido acetilsalicílico. Covilhã, 2012. Disponível em:. Acesso em: 24 Março 2013.

CHAHADE, W. H; GIORGI, R. D. N; SZAJUBOK, J.C.M. Antiinflamatórios não hormonais. São Paulo 2008. Disponível em: < http://www.estudoorientado.com.br/conteudo/fckeditor/AINH.pdf>. Acesso em: 27 Out. 2012.

COUTO, G; MACEDO, G; RIBEIRO, F. Hemorragia digestiva alta associada ao consumo de ácido acetilsalicílico e de anti-inflamatórios não-esteróides em Portugal Resultados do estudo paraines. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 março 2013.

GELLER, M; KRYMCHANTOWSKI, A. V; STEINBRUCK, M; CUNHA, K. S; RIBEIRO, M. G; OLIVEIRA, L; OZERI, D; DAHER, J. P L. Utilização do Diclofenaco na prática clínica: revisão das evidências terapêuticas e ações farmacológicas. Revista Brasileira de Clínica Médica, São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2012.

GENNARO, A. R. A ciência e a prática da farmácia. Rio de Janeiro, 20° edição, vol. 3, editora Guanabara, 2012.

GOODMAN, A. As bases farmacológicas da terapêutica. Rio de janeiro. Décima edição, 2005.

JARK, P. C; MACHADO, L. H. de A; LOURENÇO, M. L. G; SAKATE, M. Uso de inibidores de COX-2 no tratamento do carcinoma de células de transição de bexiga em cães–revisão. Veterinária e Zootecnia, 2011. Disponível em: . Acesso em: 24 Março 2013.

LOPES, R. O. M; Aspirina: aspectos culturais, históricos e científicos. Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 Out. 2012.

MARQUES, L; Ibuprofeno: um fármaco com sucesso. 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 Out. 2012.

MEDEIROS, E. G; DORNELAS, B. A de F. Hepatotoxicidade: uma revisão de literatura sobre os anti-inflamatórios não-hormonais. Revista Acadêmica Multidiciplinar da Faculdade Patos de Minas, vol. 4, número IV, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 Abril 2013.

MELGAÇO, S. S.C; SARAIVA, M. I. R; LIMA, T. T. C; JÚNIOR, G. B. da S; DAHER, E. de F. Nefrotoxicidade dos anti-inflamatórios não esteroidais. Ribeirão Preto, 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 Out. 2012.

MENDES, R. T; STANCZYK, C. P; SORDI, R; OTUKI, M. F; SANTOS, F. A. dos; FERNANDES, D. Inibição seletiva da ciclo-oxigenase-2: riscos e benefícios, Rev. Bras. De Reumatologia, editora Elsevier, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2012.

MICHELINI, A. de F; FERREIRA, A. A. P; BITAR, V. G; LOPES, L. C. Toxicidade renal de inibidores seletivos da ciclo-oxigenase-2: Celecoxibe e Rofecoxibe. Ver. Ciênc. Med. Campinas, 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 Fev. 2013.

MONTEIRO, E. C. A; TRINDADE, J. M. de F; DUARTE, A. L. B. P; CHAHADE, W. H. Os Anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs), v. 9, n.2, 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2012.

MOREIRA, T. S; CID, Y. P; PIERRE, M. B. R; SOUSA, V. P de; KUMMERLE, A. E; FRAGA, C. A. M. Extração e purificação de fármacos anti-inflamatórios não esteroidais ciclo-oxigenase-2 seletivos. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 março 2013.

MURI, E. M. F; SPOSITO, M. M. de M; METSAVAHT, L. Anti-inflamatórios não esteroidais e sua farmacologia local, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2012.

PINHEIRO, R. M; WANNMACHER, L. Uso racional de anti-inflamatórios não esteroides. Brasília, 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2012.

RIGATO, H. M. Determinação do perfil farmacocinéticos de anti-inflamatórios não hormonais aplicados à clínica. Campinas, 2011. Disponível em: . Acesso em 24 março 2013.

RIBOLDI, E; LIMA, D. A; DALLEGRAVE,E. Sensibilidade espécie-específica aos anti-inflamatórios não esteroidais: humanos X animais de companhia, 2011. Disponível em: . Acesso em 26 Fev. 2013.

SILVA,P. Farmacologia. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

SILVA, P. C; PERASSOLO, M.S; SUYENAGA, E. S. Benefícios e riscos do uso de coxibes. Rio Grande do Sul, revista eletrônica de farmácia, vol. VXX, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 março 2013.

SILVA, I. F. J. da. Tratamento da dor em feridas crônicas. Lisboa, 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2013.

TECHIO,P. X; BELO, M. A. de A. Estrutura química e interação molecular farmacodinâmica entre Salicilatos e Oxicans. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 Fev. 2013.

TEIXEIRA, R. da S. Nimesulida: uso do medicamento pelos utentes da farmácia comunitária. Universidade Fernando Pessoa, Faculdade de Ciências da Saúde. Porto 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 Maio 2013.

TREVISANI, V. F. M; FIDELIX, T. S. de A; APPENZELLER, S. Uso dos anti-inflamatórios não hormonais na artrite reumatoide, osteoartrite e na lombalgia. São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 Fev. 2013.

VARALDA, D. B.; MOTTA, A. A. Reações adversas aos anti-iflamatórios não esteroidais, Revista Bras. Alerg. Imunopatol; São Paulo, p. 27 – 34, 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.