POLIMORFISMOS GENÉTICOS DA FAMÍLIA CITOCROMO P450 E O CÂNCER

Carolina Schmaltz Paixão, Monica de Oliveira Santos, Vanessa Guimarães de Freitas Cruvela d'Ávila, Yves Mauro Fernandes Ternes, Rodrigo da Silva Santos

Resumo


RESUMO: O objetivo desse estudo foi analisar a importância das enzimas citocromo P450 na ativação de agentes pró-carcinogênicos e na metabolização de fármacos.Materiais e métodos: Trata-se de um artigo de revisão da literatura. A coleta de dados foi realizada de fevereiro de 2016 a janeiro de 2017, e as bases de dados utilizadas foram: MEDLINE (Medical Literature Analysis and Retrieval System Online), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), National Center for BiotechnologyInformation(NCBI – PubMed) e Scientific Eletronic Library OnLine(SCIELO). Resultados: Os conteúdos dos artigos foram divididos em cinco categorias analíticas: “Citocromo P450”, “Biotransformação”, “Polimorfismos genéticos e “metabolismo dos xenobióticos”, “Mecanismo de interação medicamentosa”, “Fatores de risco e atividade do CYP450 nos fármacos quimioterápicos”. A pesquisa pode constatar a elevada importância das enzimas da superfamíliacitocromo P450 em todo o processo de carcinogênese e em seu tratamento, sendo, esse complexo de enzimas, o principal metabolizador da fase I dos xenobióticos.Conclusões: As enzimas citocromo P450 são fundamentais na ativação e inativação tanto de pró-carcinógenos como de drogas anticâncer. As diferenças interindividuais na efetividade da CYP450 são determinadas por fatores genéticos e ambientais, sendo esses mais relevantes na susceptibilidade individual, como exposições ao tabaco, álcool, dentre outros xenobióticos. Um dos principais objetivos em pesquisas oncológicas é o desenvolvimento de produtos terapêuticos com tropismo específico para células tumorais, visando eliminação ou diminuição da toxicidade sistêmica geralmente causada pela enfermidade. Sendo assim, as CYPs representam um alvo para a terapia anticâncer.

 

Palavras-chave: câncer. citocromo P450. Metabolização. pró-carcinógenos. quimioterápicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDO, Y. Cytochrome P450 and anticancer drugs. Center of Cancer Research; National Cancer Institute, Springer Science, 2004.

ANDROUTSOPOULOS, V. P.; TSATSAKIS, A. M.; SPANDIDOS, D. A. Cytochrome P450 CYP1A1: wider roles in cancer progression and prevention. BMC Cancer. Jun 16; 9:187. 2009.

AVARI, I.; FEDELI, U.; HIDAR, S.; KHLIGI, S.; PAVANELLO, S. Role of CYP1A2 polymorphisms in breast cancer risk in women; Mol Med Rep. Jan; 7(1):280-6.2013.

BANDEIRA, C.M.; ALMEIDA, A.A.; GONÇALVES, A.J. Polimorfismos genéticos da família Citocromo P450 e carcinoma de células escamosas de cavidade oral, faringe e laringe. Rev. Col. Bras. Cir.; 41(5): 366-373, 2014.

BIBI Z. Role of cytochrome P450 in drug interactions. Nutrition & Metabolism. 5:27. 2008.

FILHO, V.W; GATTÁS, G.J.F. Biomarcadores moleculares em câncer: implicações para a pesquisa epidemiológica e a saúde pública. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 17 (3):467-480, mai-jun, 2001.

GASPAR, P.A. Polimorfismos dos genes do citocromo P450, da glutationa S-transferase e do supressor de tumor TP53 em populações sul-americanas e em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica e câncer de pulmão (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2002.

HABENSCHUS, M. D. Estudos de inibição das enzimas do citocromo P450 pelo produto natural grandisina utilizando microssomas hepáticos humanos. (Tese de Doutorado), Universidade de São Paulo – USP, 2016.

HONMA, H.N.; CAPITANI, E.M.; BARBEIRO, A.S.; COSTA, D.B.; MORCILLO, A.; ZAMBON, L. O polimorfismo do gene CYP1A1*2. A e a suscetibilidade ao câncer de pulmão na população brasileira. J. bras. Pneumol., São Paulo , v. 35, n. 8, p. 767-772; 2009.

HUKKANEN, J.; JACOB, P.; PENG, M.; DEMPSEY, D.; BENOWITZ, N.L. Effect of nicotine on cytochrome P450 1A2 activity; Br J ClinPharmacol; Nov; 72(5): 836–838. 2011.

KLAASSEN, C.D; III WATKINS, J.B. Biotransformation of xenobiotics. In: Casarett and Doull’s Toxicology: The Basic Science of Poisons, (C. D., KLAASSEN, org), pp. 113 – 186, 9th edition, New York, McGraw_Hill, Inc.; 2001.

KOIFMAN, S. HATAGIMA, A. Exposição aos agrotóxicos e câncer ambiental. E-book É veneno ou é remédio?, Fundação Oswaldo Cruz, págs 75-99, 2003.

LOSI-GUEMBAROVSKI, R.; CÓLUS, I.M.D.S. Glutationa S-transferase M1 (GSTM-1): distribuição étnica e relação com câncer. Semina: Ci. Biol. Saúde, Londrina, v. 22, p. 3-9, jan./dez. 2001.

LU, Y.; CEDERBAUM, A. CYP2E1 and oxidative liver injury by alcohol. Free Radic Biol Med. Mar 1; 44(5): 723–738.2008.

MAIOLI, M.A. Papel da mitocôndria na citotoxicidade induzida pela abamectina em hepatócitos isolados de rato, (Dissertação de Mestrado), Universidade Estadual Paulista – UNESP, 2012.

MATUO, M.C.S. Indução do sistema citocromo P450 em linhagens de hepatoma humano para utilização como modelo in vitro no desenvolvimento de fármacos. (Tese do Doutorado), Universidade de São Paulo – USP, 2011.

MCKUSICK, V.A.; KNIFFIN, C. L. Cytochrome P450, subfamily 2C, polypeptide 19, CYP2C19; National Center for Biotechnology Information (NCBI),2010.

NUSSBAUM, R.L.; MCINNES, R. R.; WILLARD, H. F. Thompson & Thompson Genética Médica, Elsevier, 2016.

OLIVEIRA, E.A.S. Meia-vida as drogas, biodisponibilidade, biotransformação e excreção dos fármacos, Farmacologia-USP, 2008.

OMURA, T. Forty years of cytochrome P450. Biochemical and Biophysical Research Communications; 266 (3): 690 – 698, 1999.

REIS, M. Farmacogenética aplicada ao câncer. Quimioterapia individualizada e especificidade molecular. Medicina (Ribeirão Preto). 39 (4): 577-86, 2006.

ROCHA, D.A.M. Alterações de Enzimas de Biotransformação de Xenobióticos na Fase Inicial da Esquistossomose Mansônica Murina. (Dissertação de Mestrado). Fundação Oswaldo Cruz, 2004.

RODRÍGUEZ, E.M.R.C.; PURATA, A.; CRUZ, P.H. Citocromo P450 biomarcador de exposición terapêutico-toxicológico-carcinogénico. REB 29 (2): 39-52, 2010.

RODRIGUEZ-ANTONA, C.; INGELMAN-SUNDBERG, M. Cytochrome P450 pharmacogenetics and cancer. Oncogene, 25, 1679–1691. 2006.

ROSEMARY, J.; ADITHAN, C. The pharmacogenetics of CYP2C9 and CYP2C19: ethnic variation and clinical significance. Curr Clin Pharmacol; Jan;2(1):93-109. 2007.

SANTIAGO, C.; BANDRÉS, F.; GÓMEZ-GALLEGO, F. Polimorfismos de citocromo P450: papel como marcador biológico. Medicina del Trabajo, 11, 3, mayo-junio 2002.

SCOTT, S.A.; SANGKUHL, K.; SHULDINER, A.R; HULOT, J.S.; THORN, C.F.; ALTMAN, R.B.; KLEIN, T.E. Very important pharmacogene information for cytochrome P450, family 2, subfamily C, polypeptide 19. Pharmacogenet Genomics. February; 22(2): 159–165. 2012.

TWARDOWSCHY, C.A.; WERNECK, L. C.; SCOLA, R. H.; PAOLA, L.D., SILVADO, C.E. CYP2C9 polymorphism in patients with epilepsy: genotypic frequency analyzes and phenytoin adverse reactions correlation. Arq Neuropsiquiatr; 69(2-A):153-158. 2011.

VARIS, T. Studies on Drug Interactions between CYP3A4 Inhibitors and Glucocorticoids; Department of Clinical Pharmacology, (Academic Dissertation), University of Helsinki – Finland. 2000.

WERCK-REICHHART, D.; FEYEREISEN, R. Cytochromes P450: a success story. Genome Biology, v. 1, n. 6, p. 3003.1-300.9; 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.