ELABORAÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM JOGO DIDÁTICO NO ENSINO DE GENÉTICA

João Paulo Raimundo Borges, Aroldo Vieira de Moraes Filho

Resumo


RESUMO: O ensino tradicional não é mais satisfatório em relação às necessidades da realidade da educação atual que está voltada para a formação de cidadãos capazes de se posicionar criticamente diante de situações cotidianas. Neste sentido é relevante que novas metodologias de ensino sejam introduzidas no ambiente escolar com o intuito de promover uma assimilação significativa do conteúdo. Diante desses pressupostos, o presente trabalho teve como objetivo verificar se as atividades lúdicas, por meio dos jogos didáticos, influenciam positivamente a aquisição de conhecimento por alunos do ensino médio da rede pública de ensino. Para tal foi aplicado um jogo didático enfocando o conteúdo de meiose. A influência do jogo didático, no processo de ensino/aprendizagem, foi verificada por meio de questionários aplicados antes e após a atividade lúdica, para comparar os dados. Verificou-se um aumento na porcentagem de acertos das questões após a aplicação do jogo didático e que a maioria dos alunos (95%) mostrou-se satisfeitos com a atividade, afirmando que se fossem professores utilizariam a mesma para ministrar suas aulas.

 

Palavras-chave: Educação. Atividades Lúdicas. Genética

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMME, A. L. D. A. O lúdico no ensino de genética: a utilização de um jogo para entender a meiose. 2010. Universidade Presbiteriana Mackenzie. Trabalho de Conclusão de Curso. Disponível em: http://www.mackenzie.br/fileadmin/Graduacao/CCBS/Cursos/Ciencias_Biologicas/1o_2012/Biblioteca_TCC_Lic/2010/2o_2010/ANA_LUIZA_ABDO.pdf. Acesso em: 30/11/2014

BRASIL. MEC. SEF. (1998). Parâmetros Curriculares para o Ensino Fundamental. Brasília, Brasil. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf. Acesso em: 27/111/2014.

_____L. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 2006.

CAMPOS, L.M.L.; BORTOLOTO, T.M.; FELÍCIO, A.K.C. A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Universidade Estadual Paulista. 2002. Disponível: http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2002/aproducaodejogos.pdf. Acesso em: 02/12/2014.

CASTRO, B. J. e COSTA, P. C. F. Contribuições de um jogo didático para o processo de ensino e aprendizagem de Química no Ensino Fundamental segundo o contexto da Aprendizagem Significativa. Revista Electrónica de Investigacion en Educación em Ciências. V. 6, n. 2. 2011.

CUNHA, E. S. Divisão celular: uma forma lúdica para abordar o tema no ensino médio. Ciência em Tela. V. 1, n. 2, 2008..

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. São Paulo: Autores Associados, 2002.

GUEDES, A. G.; Fontoura, M. T. S.; PEREIRA, R. M. M. Biologia Limitada: Um jogo interativo para aluno do terceiro ano do Ensino Médio. VIIEnpec: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis. 2014.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 2004. 4. ed. São Paulo: Universidade de São Paulo.

LEITE, M. Biotecnologias, clones e quimeras sob controle social: missão urgente para a divulgação científica. São Paulo em Perspectiva, V. 14, n. 3, p. 40-46. 2000.

MARASINI, A. B. A utilização de recursos didáticos-pedagógicos no ensino de biologia. 2010. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Trabalho de Conclusão de Curso. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/35273/000781693.pdf?sequence=1. Acesso em: 05/12/2014.

MARTINEZ, M. R. E.; FUJIHARA, R. T.; MARTINS, C. Show da genética: um jogo interativo para o ensino de genética. Genética na Escola. 03-02. p. 24-27, 2008.

MIRANDA, S. No fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência Hoje, São Paulo, V. 28, n. 168, p.64-66. 2001.

MOURA, J.; SANTOS, M. B.; ALVES, M. C.; FERREIRA, K. O uso de jogos didáticos para o ensino de Química: recursos lúdicos para garantir um melhor desenvolvimento do aprendizado. 2011. In: Encontro Nacional de Educação, Ciência e Teconologia/UEPB. Disponível em: http://www.editorarealize.com.br/revistas/enect/trabalhos/Poster_368.pdf. Acesso em: 25/11/2014.

PATRINHANI, S. L. M. Jogos: um jeito novo de aprender. 2001. Universidade Tuiuti do Paraná. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Psicopedagogia). Curitiba.

PEDRANCINI, D. V.; CORAZZA-NUNES, M. J.; GALUCH, T. B.; MOREIRA, A. L. O. R.; RIBEIRO, A. C. Ensino e aprendizagem de biologia no ensino médio e a apropriação do saber científico e biotecnológico. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias V. 6, n. 2, 2007.

PEDRANCINI, D. V.; CORAZZA-NUNES, M. J.; GALUCH, M. T. B.; MOREIRA, A. L. O. R.; NUNES, W. M. C. Saber científico e conhecimento espontâneo: opiniões de alunos do ensino médio sobre transgênicos. Ciência & Educação, V. 14, n. 1, p. 135-146. 2008.

PINTO, L. T. O uso dos jogos didáticos no ensino de ciências no primeiro segmento do ensino fundamental da rede municipal pública de Duque de Caxias. 2009. Dissertação. Instituto Federal de educação, Ciência e Tecnologia. Disponível em: http://www.ifrj.edu.br/webfm_send/3039. Acesso em: 10/12/2014.

PREDOSO, C. V. Jogos didáticos no em sino de Biologia: uma proposta metodológica baseada em modulo didático. In: IX Congresso Nacional de Educação – EDUCERE: III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. 26-29 de outubro de 2009.

SANTOS, C. R. M.,; SILVA, P. R. Q. A utilização do lúdico para a aprendizagem do conteúdo de genética. Univ. Hum. Brasília, V. 8, n. 2, p. 119-144, 2011.

SANTOS, A. C., CANEVER, C. F., GIASSI, M. G., FROTA, P. R. O. A importância do ensino de ciências na percepção de alunos de escolas da rede pública municipal de Criciúma-SC. Revista Univap. São José dos Campos-SP, v. 17, n. 30, dez. 2011.

SANTOS, S. M. P. A ludicidade como ciência. Petrópolis: Vozes, 2001.

SANTOS, A. C.; CANEVER, C. F.; GIASSI, M. G.; FROTA, P. R. O. A importância do ensino de ciências na percepção de alunos de escolas públicas municipal de Criciúma – SC. 2011. Revista Univap, São José dos Campos-SP, V. 17, n. 30, 2011.

SOBRINHO, R. S. A importância do ensino de biologia para o cotidiano. 2009. Faculdade Integrada da Grande Fortaleza. Trabalho de Conclusão de Curso. Disponível em: http://www.nead.fgf.edu.br/novo/material/monografias_biologia/RAIMUNDO_DE_SOUSA_SOBRINHO.pdf. Acesso em: 30/11/2014.

SOUSA, E. M.; SILVA, F. O.; SILVA, T. R. S.; SILVA, P. H. G. A importância das atividades lúdicas: uma proposta para o ensino de ciências. VII CONNEPI. ISBN 978-85-62830-10-5. 2012. Disponível em: http://propi.ifto.edu.br/ocs/index.php/connepi/vii/paper/view/3948/2742. Acesso em: 01/12/2014.

VIEIRA, V.; BIANCONI, M. L.; DIAS, M. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Cienc. Cult. [online]. V. 57, n. 4, p. 21-23. 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.