AS PRINCIPAIS TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA

Karla Keila Pereira Caetano Souza Pereira Souza, Oslânia de Fátima Alves de Fátima Alves

Resumo


A reprodução humana assistida é definida como uma técnica usada no tratamento de infertilidade conjugal, na qual envolve a manipulação de pelo menos um dos gametas. A reprodução humana assistida pode ser dividida em várias técnicas, porém as principais são: inseminação artificial (IIU), fertilização in vitro (FIV), injeção intracitoplasmática de espermatozóides (ICIS) e a transferência de embriões congelados (TEC). O objetivo deste trabalho foi fornecer informações de forma clara e objetiva sobre as principais técnicas de reprodução humana assistida, suas indicações e o passo a passo de cada uma das técnicas. O estudo foi realizado através pesquisa bibliográfica, com levantamento de dados através de artigos, publicações em revistas e dissertações. A reprodução humana assistida vem ganhando espaço devido à reformulação do conceito de família, já que é permitido o planejamento familiar. Muitas vezes este projeto não pode ser realizado, pois o filho esperado não vem de forma natural, restando apenas às formas alternativas de reprodução humana assistida.
Palavras-chave: Reprodução. Inseminação. Fertilização. Embriões. Criopreservação.


Texto completo:

PDF

Referências


AVELAR, Ednara P. A responsabilidade civil médica em face das técnicas de Reprodução Humana Assistida. 269 f. Dissertação (Mestrado em direito) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

BRASIL. Lei n. 11.105 de 24 de março de 2005. Estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 de de mar. 2005.

______. Resolução n. 33 de 17 de fevereiro de 2006. Aprova o Regulamento técnico para o funcionamento dos bancos de células e tecidos germinativos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 de de mar. 2006.

______. Resolução n. 2.013/2013 de 09 de maio de 2013. Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga a Resolução CFM nº 1.957/10. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 de de abr. 2013.

______. Resolução n. 1358/9231 de 11 de novembro de 1992. Adota normas éticas para utilização das técnicas de reprodução assistida. Diário Oficial da União, São Paulo, SP, 19 de de nov. 1992.

CIOCCI; Borges Júnior. Reprodução assistida: até onde podemos chegar? Compreendendo a ética e a lei. São Paulo, 2000, p. 69.

CORRÊA, Marilena C. D. V. Ética e Reprodução Assistida: a medicalização do desejo de ter filhos. Revista Bioética, Brasília, v. 9, n. 2, 2001, p.71-82.

CORRÊA, M. V. Novas tecnologias reprodutivas - limites da biologia ou biologia sem limites? Rio de Janeiro: Editora UERJ; 2001.

CRIOPRESERVAÇÃO de embriões. Canal Pró-criar, Belo Horizonte, 2015. Disponível em: . Acesso em: 08 Nov. 2015.

DZIK, A.; PEREIRA, D. H. M.; CAVAGNA, M.; AMARAL, W. N. Tratado de Reprodução Assistida. Edição 3ª, São Paulo: Sociedade Brasileira de Reprodução Humana, 2014.

INSEMINAÇÃO... IPGO, medicina da reprodução, 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 de Outubro de 2015.

JUNIOR, Aimar Joppert. Reprodução Assistida: Aspectos Históricos. Disponível em: . Acesso em: 19 de Outubro de 2015.

LANIUS, Manuela; SOUZA, Edson Luis André de. Reprodução assistida: os impasses do desejo. Rev. Latinoam. Psicopatol. Fundam. Mar., 2010, vol. 13, n. 1, p. 53-70. ISSN 1415-4714.

MAIA, Felipe. Após 30 anos, nº de bebês de proveta no mundo é equivalente a um terço da população de SP. In: Folha de São Paulo, Caderno de Ciências, São Paulo, 25 mai. 2008.

MARTINS, Joana Palmira et al. Estimulação ovariana controlada e inseminação intrauterina: uma terapia atual?. Bras. Ginecol. Obstet., Nov., 2011, vol. 33, n. 11, p. 341-347. ISSN 0100-7203.

MOROZOV V, RUMAN J, KENIGSBERG D, MOODIE G, BRENNER S. Natural cycle cryo-thaw transfer may improve pregnancy outcome. J Assist Reprod Genet. 2007 Apr; 24(4):119-23. Epub 2007 Feb 16.

OLIVEIRA, D. C. A.; BORGES, Jr. E. Reprodução assistida: até onde podemos chegar? São Paulo: Gaia; 2000. p. 33.

PEREIRA, Dirceu Henrique Mendes. "A história da reprodução humana no Brasil”, Fêmina, vol. 39, nº 2, 2001, pp. 59-64.

RAMIREZ-GALVEZ, Martha. Reprodução assistida, consumo de tecnologia, deslocamentos e exclusões. Cienc. Cult.[online]. 2008, vol.60, n.1, pp. 39. ISSN 2317-666

RAMIREZ-GALVEZ, Martha. Reprodução assistida, consumo de tecnologia, deslocamentos e exclusões. Cienc. Cult.[online]. 2008, vol.60, n.1, pp. 40. ISSN 2317-666

SCHRAMM, F. R. "Quem tem medo das (bio) tecnologias de reprodução assistida?" Bioética, vol. 9, nº 2, 2001, pp. 43-56.

SOUZA, Marise Cunha. As Técnicas de Reprodução Assistida. A Barriga de Aluguel. A Definição da Maternidade e da Paternidade. Bioética. Revista da EMERJ, v.13, n.50, 2010, p 350-351.

STEPTOE, C.; Edwards, R.G. Birth after the preimplantation of a human embryo. Lancet, v.2, p.366, 1978.

WRIGHT, V. C., CHANG, J., JENG, G., MACALUSO, M. (2008). Assisted reproductive technology surveillance - United States, 2005. MMWR. Surveillance Summaries, 57(SS05). p1-23.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.