ENDOMETRIOSE E SEU IMPACTO NA FERTILIDADE FEMININA.

Delzuite Alves de Sousa Barbosa, Andrea Mara de Oliveira

Resumo


RESUMO: Caracterizada como a presença de tecido endometrial fora do útero, que provoca reação inflamatória crônica no local onde se instala, a endometriose tem se apresentado de forma enigmática, causando sérios prejuízos à vida da mulher acometida pela mesma, muitas vezes de forma irreversível. É uma doença estrogênio dependente ocorrendo, prioritariamente, no período reprodutivo da mulher, benigna, sem cura, etiopatogenia ainda incerta, difícil diagnóstico, sintomatologia variada, intimamente ligada à infertilidade feminina, que exige um tratamento individualizado no sentido de conter sua progressão. Este estudo tem como objetivo estudar e reunir informações sobre os diversos aspectos da endometriose, bem como sua relação com a infertilidade feminina. Isto poderá, futuramente, contribuir no sentido de facilitar buscas por informações e esclarecer dúvidas relacionadas ao assunto abordado. Este trabalho foi realizado por meio de uma pesquisa bibliográfica, através do método exploratório, de forma quantitativa e qualitativa. O estudo e a informação podem ampliar os conhecimentos sobre a doença favorecendo na redução do tempo de diagnóstico, antecipando o início do tratamento e, consequentemente, reduzindo os transtornos que a doença pode causar às suas portadoras. Palavras-chave: Endometriose. Dor pélvica. Infertilidade. Tratamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRÃO, M. S. Os fenótipos da endometriose pélvica. Rev. Assoc. Med. Bras. 2003; 49(2): 117-36 .

ABRÃO, M. S. et al. Endometriose intestinal: Uma doença benigna? Rev. Assoc. Med. Bras. 2009;55(5): 611-6.

ARAZAWA, S. Endometriose: A Dor da Infertilidade. Disponível em:

Acesso em 09 fev. 2013.

ARRUDA. M. S. Avaliação do tempo decorrido entre o início dos sintomas e o diagnóstico de endometriose. Dissertação (Mestrado em Tocoginecologia) - Universidade Estadual de Campinas, 2002.

BASSI, M. A. Cinética Celular na endometriose profunda infiltrativa de reto-sigmoide: estudo anátomo-clínico. 2011. 92 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2011.

BELLELIS, P. et al. Aspectos epidemiológicos e Clínicos da endometriose pélvica: Uma série de casos. Rev. Assoc. Med. Bras. 2010, vol. 56, nº 4, p. 467-471.

BELLELIS, P.; PODGAEC, S.; ABRÃO, M. S. Fatores ambientais e endometriose. Rev. Assoc. Med. Bras. 2011; 57 (4): 456-461.

BERBEL, B. T.; PODGAEC, S.; ABRÃO, M. S. Análise da associação entre o quadro clínico referido pelas pacientes portadoras de endometriose e o local de acometimento da doença, Rev. Med. 2008 jul.-set.; 87(3):195-200.

BEREK, J. S. Tratado de ginecologia. 14 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

BIANCO, B. et al. Análise do polimorfismo no códon 72 do gene TP53 em mulheres inférteis com e sem endometriose, Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2011; 33(1): 37-42

COUTINHO JUNIOR, A. C. et al. Ressonância magnética na endometriose pélvica profunda: ensaio iconográfico. Radiol. Bras. 2008 Mar/Abr; 41(2):129–134

CROSERA, A. M. L. V. et al. Tratamento da endometriose associada à infertilidade: revisão de literatura, Rev. Femina. Maio 2010, vol. 38, nº 5.

ESHRE. European Society of Human Reproduction end Embryology. Guideline for the diagnosis

and treatment of endometriosis. Disponível em: . Acesso em:

abr. 2013.

FEBRASGO. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de orientação de endometriose. 2010. Disponível em site:

http://professor.ucg.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/13162/material/ENDOMETRIOSE%20-

%20FEBRASGO%202010.pdf. Acesso em: 09 fev. 2013.

FRANKFURT, S. et al. Avaliação dos níveis basais de FSH em pacientes inférteis com endometriose profunda de ovário tratadas cirurgicamente. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009; 31(7): 349 – 52.

FREITAS, F. et al. Rotinas em ginecologia. 6 ed. Porto Alegre: Artmed, 2011. 736 p.

GARCIA, A. et al. Endometriose Colônica Simulando Câncer Colorretal: Relato de Dois Casos.Rev. Bras. Coloproct. 2006, Julho/Setembro, Vol. 26, Nº 3, 316 – 320.

HALBE, H. W. Tratado de ginecologia. Vol. 1, São Paulo: Roca, 1987.

INCA, Instituto Nacional do Câncer. Câncer do ovário. Disponível em:

Acesso em: 29 març. 2013.

IPGO, Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia. O que é endometriose? Disponível em:

. Acesso em: 16 de abr.

________. Tipos e classificação. Disponível em:

. Acesso em: 16 de abr.

________. Infertilidade x Endometriose. Disponível em:

. Acesso em: 16 de abr.

KAMERGORODSKY, G. et al. Avaliação da classificação histológica da endometriose observada em implantes de mulheres portadoras de endometriose pélvica superficial e profunda. Rev. Bras.

Ginecol. Obstet., 2007; 29 (11): 568 – 74.

MACHADO, T. et al. Endometriose vesical: Aspectos diagnósticos e terapêuticos. Rev. Assoc. Med. Bras. 2001; 47(1): 37-40.

MATTA, A. Z.; MULLER, M. C. Uma análise qualitativa da convivência da mulher com sua endometriose. Psicologia, saúde & Doenças, 2006, 7 (1), 57-72.

MENDONÇA, E. e colaboradores. Um enigma chamado endometriose. Belo Horizonte: Health,

240 p.

MOURA, M. D. et al. Avaliação do Tratamento Clínico da Endometriose. Rev. Bras. Ginecol.

Obstet., 1999; v. 21, nº 2: 85 – 90.

MOTTA, L. D. C.; WANDERLEY, M. S. Fundamentos em reprodução humana: roteiro prático

para o ambulatório. Brasília: Universidade de Brasília,1997. 159p.

NÁCUL, A. P.; SPRITZER, P. M. Aspectos atuais do diagnóstico e tratamento da endometriose.

Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2010; 32 (6): 298-307.

NOMINATO, N. S. Endometriose de cicatriz cirúrgica: Estudo retrospectivo de 25 anos.

Dissertação (Mestrado em Saúde da Mulher). Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.

OLMOS, P. E. Quando a cegonha não vem: Os recursos da medicina moderna para vencer a

infertilidade. São Paulo: Carrenho Editorial, 2003. 248p.

SEPULCRI, R. P.; AMARAL V. F. Endometriose pélvica em adolescentes: Novas perspectivas.

Femina, 2007, Junho, Vol. 35, nº 6, 355 – 362.

SCHMITZ, C. R. Estudo dos polimorfismos do gene do hormônio luteinizante (LH) em

mulheres com endometriose e infertilidade: Análise da prevalência gênica. Dissertação

(Mestrado em Ciências Médicas). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

VILA, A. C. D. A endometriose e sua relação com a infertilidade feminina e fatores ambientais.

70 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Saúde) – Universidade Católica de

Goiás, 2007.

VILA, A. C. D.; VANDENBERGHE, L.; SILVEIRA, N. A. A vivência de infertilidade e

endometriose: Pontos de atenção para profissionais de saúde. Psicologia, Saúde & Doenças, 2010,

(2), 219 - 228

VILASBOAS, B. Endometriose, doença que causa infertilidade nas mulheres. Disponível em:

acesso em: 17 abr. 2013.

VISCOMI, F. A. et al. Correlação entre os Aspectos Laparoscópicos e os Achados Histológicos das

Lesões Endometrióticas Peritoneais. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2002; v. 24, nº 2, 93 – 99.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.