AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS: UM PARALELO ENTRE A COMPRA E O DESPERDÍCIO DOS MEDICAMENTOS ADQUIRIDOS PELO SETOR PÚBLICO

Pollyanna Silva Brito, Fernando Medeiros Barros

Resumo


RESUMO: A utilização de medicamentos é uma prática indispensável à qualidade de vida e saúde dos indivíduos. Assim, até que estes se tornem acessíveis para o uso da população, é necessário percorrer um caminho formalmente designado como Ciclo da Assistência Farmacêutica. Neste percurso, uma das etapas consiste em adquirir tais medicamentos. Diante disso, objetivou-se compreender como se dá a aquisição dos medicamentos pelo setor público, bem como estabelecer um paralelo entre a compra e o desperdício destes medicamentos, buscando argumentar quais são as questões que circundam este processo. Os caminhos para esta compreensão pautaram-se na pesquisa bibliográfica por meio do método exploratório, o que favoreceu a coleta de dados através de livros, dissertações, artigos e revistas científicas. Diferentes questões enfatizam a forma como essa aquisição é realizada, porém, pensar em adquirir não garante que todos os medicamentos comprados cheguem efetivamente à mão da população, uma vez que, neste caminho, um dos grandes problemas que impedem o acesso à realização dos tratamentos diz respeito à questão do desperdício. Para se obter resultados satisfatórios tanto na aquisição quanto no controle do desperdício de medicamentos, a administração pública necessita disponibilizar profissionais capacitados para gerenciar todo o processo de aquisição dos medicamentos, além é claro, de empreender cuidados com o armazenamento adequado, controle de estoque, e tantas outras questões que impedem que os medicamentos adquiridos, cheguem as mãos da população que tanto deles necessita.

Palavras-chave: Aquisição. Ciclo da Assistência Farmacêutica. Desperdício. Medicamento.


Texto completo:

PDF

Referências


ACÚRCIO F.A. et al. Disponibilidade de medicamentos essenciais em duas regiões de Minas Gerais, Brasil. Rev Panam Salud Pública.2004; 15(3): 168-75.

BENEVIDES, Carolina; GALDO, Rafael. R$ 1 bilhão em remédios no lixo: Falhas na compra e no armazenamento levam a desperdícios de medicamentos no país, Rio de Janeiro, abril 2010. Disponível em .Acesso em 27/10/12.

BRANDÃO, Aloízio. Serviços farmacêuticos evitam desperdícios para os cofres dos

Municípios e trazem benefícios à saúde das populações. Pharmacia Brasileira, Brasília , março/abril 2010. Disponível em acessado em 27/10/2012.

BRASIL. Lei Federal nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art.37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da administração pública e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1993.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Para entender a gestão do Programa de Medicamentos de dispensação em caráter excepcional. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília, 2004.

BRASIL. Ministério de Ciências e Tecnologia do Governo Federal. Tecnologia em saúde Indústria Farmacêutica. Brasil. gov.br. 2010. Disponível em http://www.brasil.gov.br/sobre/ciencia-e-tecnologia/tecnologia-em-saude

JANNUZZI P.M. Avaliação de Programas Públicos por meio da análise estruturada dos relatórios de auditoria da Controladoria Geral da União. Cadernos Gestão Pública e Cidadania. São Paulo, n.59, v. 16, 2011.

MARIN N. et al. Assistência Farmacêutica para Gerentes Municipais, Rio de Janeiro: OPAS/MS 2003.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Assistência Farmacêutica na Atenção Básica: instruções técnicas para sua organização. 2ª edição. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

PORTELA, A.S. et al. Políticas Públicas de Medicamentos: trajetória e desafios, Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, n.1, v. 31, p. 09-14, 2010.

VIEIRA F.S.; ZUCCHI P. Distorções causadas pelas ações judiciais à política de medicamentos no Brasil. Revista de Saúde Pública, n.2, v.41, p.214-222, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.